Posts Tagged ‘Yahoo!’

Plano de cargos e salários…

Sunday, February 15th, 2009

Me incomoda muito o fato de que desenvolvedores precisam virar gerentes ou coordenadores para ganhar mais.

<história>
Era uma vez um desenvolvedor muito bom e muito eficiente. Ao longo da sua carreira ele foi aprimorando suas habilidades e técnicas e se tornou um super desenvolvedor com um conhecimento técnico absurdo, uma vasta experiência em arquiteturas de software e poliglota em linguagens de programação. Nesse momento ele repara que já é um desenvolvedor sênior ++ na empresa que ele trabalha e por isso não tem como ganhar mais do que ele já ganha a não ser que ele vire gerente. Então, querendo ganhar mais, o excelente técnico que programava e resolvia problemas técnicos com eficiência é obrigado a virar um gerente, porque a empresa não dá para ele outra forma de evoluir financeiramente. O detalhe é que ele não tem nenhuma habilidade para gerir pessoas ou projetos, além de que ele odeia fazer isso. O que ele gostava mesmo era de programar, mas ele não teve escolha. Resumindo: a empresa trocou um excelente técnico por um péssimo gerente e ainda está pagando mais por isso!
<história/>

Já repararam como esse padrão se repete nas empresas brasileiras?

Se você nunca parou pra pensar nisso, pense agora: é muito difícil um programador ganhar mais do que um gerente e por sua vez é muito difícil um gerente ganhar mais que um diretor. A lógica do mercado é a velha lógica do plano de cargos e salários: quanto maior for o seu nível hierárquico, mais você ganha.

O problema é que isso não faz sentido. O argumento preferido das pessoas normalmente é que “os gerentes ganham mais porque tem mais responsabilidades”. Eu discordo totalmente. Por exemplo, um amigo me contou ontem que um funcionário da empresa onde ele trabalhava tirou do ar o sistema de transações financeiras de uma grande empresa, causando com isso algumas centenas de milhares de dólares de prejuizo em poucos minutos. Neste caso, um erro de um desenvolvedor provocou uma catástrofe maior do que 10 anos de erros de uma dezena de gerentes juntos. E então, quem é que tem mais responsabilidade nas mãos?

Outra coisa que me incomoda nos planos de cargos e salários são aquelas regras do tipo “gerentes ganham na faixa de R$ X a R$ Y“: se o cara ganha menos que X não pode ser gerente e se ganhar aumento para mais que Y tem que ser promovido a diretor. Isso também não faz sentido. Em todas as empresas que eu trabalhei conheci gerentes excepcionais e gerentes absurdamente idiotas. Por incrível que pareça os excepcionais com toda sua genialidade sempre ganhavam (e ganham) o mesmo que os idiotas, por causa do maldito plano de cargos e salários. Isso pra mim soa como gado: independente das suas características individuais, uma cabeça de gado custa o mesmo que outra.

Eu trabalho e já trabalhei com vários desenvolvedores de valor altissimo. Não falo isso pelo que eles ganham ou ganhavam, mas sim porque em várias situações eles criaram soluções que melhoraram ou mudaram completamente (para melhor) a forma que as pessoas trabalhavam. Algumas dessas coisas foram tão geniais que eu diria que o valor foi inestimável. Eu também já tirei meus coelhos da cartola e sei que eles foram de grande valor para as empresas que eu trabalhei.

Não deveriam ser esses tipos de coisas que determinam o quanto as pessoas devem ganhar?

Em empresas de software, onde é comum encontrar esse tipo de pessoas, deveria ser normal ter desenvolvedores altamente especializados com remunerações maiores que as de gerentes ou diretores, mas isso é tão improvável que eu diria que é praticamente impossível – pelo menos no Brasil. Já em empresas como Google, Yahoo e cia., isso é possível e normal. Na Globo.com temos alguns casos desse tipo, mas são excessões. Isso está em fase embrionária e é muito muito muito longe do que deveria ser.

Naquela história que eu contei no início não consigo pensar em um motivo sequer para a empresa não manter o funcionário como desenvolvedor e dar o aumento que ele merece. Esqueça o plano de cargos e salários e veja como faz sentido: isso seria muito melhor para a empresa – porque o funcionário iria agregar muito mais valor sendo desenvolvedor e iria ajudá-la a lucrar muito mais – e seria melhor para o desenvolvedor – porque ele iria fazer o que gosta, o que é mais experiente e o que estudou sua vida toda para fazer.

Até quando as empresas vão continuar colocando as pessoas certas nos lugares errados?

Globo Vídeos em Flash!

Wednesday, December 19th, 2007

Globo Vídeos Flash PlayerNem acredito que finalmente o Globo Vídeos mudou para Flash! Desde às 05:53 da manhã de hoje toda a nova infraestrutura de Flash Vídeo da Globo.com está em produção e funcionando muito bem, obrigado. Com isso nós nos igualamos aos maiores players do mercado como YouTube, Yahoo! Video, Metacafe e blip.tv.

Muitas pessoas sempre me perguntavam porque a Globo.com usava Windows Media ao invés de Flash. Não posso entrar nos detalhes dessa decisão mas só para deixar as coisas mais claras, não era uma decisão técnica e sim de negócio. Como usuário do Globo Vídeos eu também sempre estive muito ansioso para que os vídeos fossem em Flash mas infelizmente não era possível. Agora, com todas as arestas aparadas, finalmente estamos disponibilizando vídeos numa tecnologia mais moderna e com muito mais qualidade de imagem do que a versão anterior (e vai melhorar!). Além disso agora passamos a atender também os usuários de Linux e Mac.

O mais legal dessa história toda é que todo o projeto foi implementado em menos de um mês! Esta primeira fase do projeto durou exatamente 4 semanas, desde estudar Flash até a migração de toda a infraestrutura, re-programação do site, produção de vídeos no novo formato, confecção do player e etc. Utilizar um processo de desenvolvimento ágil como Scrum foi essencial para organizar/planejar o trabalho e também possibilitou essa façanha de fazer uma quantidade de trabalho considerável em 4 semanas.

2008 promete. Muitas novidades virão por aí!

[QCon 2007] Ian Flint: Yahoo! Communities Architecture

Friday, November 9th, 2007

A palestra do Ian Flint sobre a arquitetura do Yahoo! foi bem interessante. É bem legal saber como esses caras grandes funcionam e fiquei bem surpreso com algumas coisas.

Qcon 2007 - Ian FlintA principal delas foi saber que eles usam Hibernate para persistência em aplicações Java. O mais impressionante é que essa aplicação tem em torno de 50.000 transações de banco de dados por segundo! Isso pra mim derruba totalmente aqueles mitos de que Hibernate não escala, que não é flexível e não funciona para softwares “grandes” e “sérios”. Se isso não é grande eu não sei mais o que é! Além disso eles usam um set de frameworks bem comum: Spring, C3P0, Log4J, etc.

Outra coisa interessante é que a grande maioria das aplicações deles é em PHP. Ele não disse o percentual ou a quantidade mas enfatizou bastante o fato de ser a maioria das aplicações então deve ser bastante coisa. Em segundo lugar eles usam mais Python e só depois vem o Java. Eles também têm várias aplicações de back-end e componentes em C e C++.

Em relação a banco de dados, eles usam na maioria das aplicações MySQL e em segundo lugar Oracle RAC. Inclusive o Ian disse que foi a primeira vez em toda sua carreira que ele viu esse Oracle RAC funcionar… Pelo visto ele já teve algumas experiências traumáticas…

Para finalizar, tenho percebido que assim como todo o resto das empresas que estão aqui (eBay, LinkedIn, Oracle, etc) eles simplesmente não inventam arquiteturas complexas como às vezes imaginamos. O segredo é uma arquitetura o mais simples possível!

Download

Web programável

Wednesday, September 5th, 2007

Uma das coisas mais legais que surgiu nesses últimos tempos foi a web programável (a.k.a. programmable web).

A web programável não é uma tecnologia mas sim um conceito. Tecnologicamente falando não há nenhuma novidade. Todas as tecnologias que fazem parte da web programável já estão aí há um tempão: JavaScript, XML, webservices, HTTP, RSS, Atom… O grande barato disso é a idéia, que consiste em os sites disponibilizarem além de suas tradicionais interfaces web HTML, uma interface que possibilite que programas utilizem os serviços que o site oferece.

Isso possibilita por exemplo que você coloque um mapa do Google Maps no seu site, que você tenha um site de comércio eletrônico inteiro usando a infraestrutura de pagamento e shopping cart do PayPal, que você faça um sistema de backup armazenando os seus arquivos no sistema de arquivos S3 do Amazon, que você codifique vídeos em vários formatos utilizando a HeyWatch API e por aí vai… O limite é a imaginação.

Vários grandes players do mercado já disponibilizam suas APIs públicas como o eBay, Google, Yahoo, Skype, PayPal, Amazon, além de muitos outros.

O site ProgrammableWeb é um lugar legal para acompanhar as últimas APIs lançadas por aí. Na última semana com a adição das novas APIs do Google eles anunciaram que já tem mais de 500 APIs catalogadas!