Posts Tagged ‘Ruby’

Que ferramentas você vai usar na hora de programar?

Tuesday, June 29th, 2010

Há uns dois meses estava eu numa madrugada típica brincado de escrever códigos aleatórios, dessa vez usando o Google App Engine. Num determinado momento (acho que eu estava testando o versionamento de deploys – que é lindo demais) fiquei tão empolgado que soltei um daqueles posts meio aleatórios no Twitter dizendo: Google App Engine kicks serious ass!. Muita gente estranhou, incluindo o meu amigo Rodrigo Kumpera que prontamente respondeu: @gchapiewski I thought you used to work for yahoo!.

O mesmo “fenômeno” aconteceu no Yahoo! Open Hack Day que fizemos em São Paulo em março. Muitas pessoas acharam estranho e ficaram abismadas pelo fato do Yahoo! e seus funcionários mostrarem hacks que faziam uso de Google Maps, Twitter, Facebook e outros produtos que não são do Yahoo!.

Vamos lá, qual o problema? Sério mesmo, qual o problema? :) Agora que eu trabalho no Yahoo! tenho que usar Y! Mail ao invés de Gmail? Ou então tenho que programar usando apenas YUI ao invés de jQuery? A política do Yahoo! é muito simples e na minha opinião bem coerente: a Internet está cheia de serviços excelentes e nós também temos alguns ótimos serviços. Porque não combinar o que há de melhor e fazer uma coisa melhor ainda?

Sempre falo isso e já até me falaram que parece meio “piegas”, mas é a pura verdade (e nunca é demais repetir): use a melhor ferramenta para resolver cada problema!

Esse modo de pensar é bem difícil nesse mercado. Muita gente acha que linguagens e tecnologias são como religiões, mas não é o que eu acredito. Não me importo de usar Java se for a melhor opção para resolver meus problemas – apesar de adorar programar em Ruby. Ou de aprender uma nova linguagem/ferramenta se ela se mostrar melhor para resolver alguma coisa (como quando eu precisei aprender ActionScript para fazer coisas legais para o Globo Vídeos – apesar de eu nunca ter tido simpatia por Flash).

Para pessoas da nossa área, acredito em um posicionamento profissional baseado em fatos e dados, não em preferências, traumas ou qualquer outro argumento sem lógica. No caso que comecei a contar no início desse post, eu estava programando um webservice REST em Python e o Google App Engine é o melhor lugar para ele estar hospedado. Aliás, eu usei Python já pensando em fazer o deploy lá, porque é super simples de usar, funciona muito bem e vai me liberar mais rápido para fazer outras coisas interessantes. É óbvio que todos temos nossas preferências de linguagens e tecnologias, mas o papel de um profissional é ser pragmático é fazer o que for mais adequado para cada situação.

Sempre que você está programando você precisa atingir um objetivo. Como eu ouvi falar esses dias, você “não senta e começa a programar igual a um cavalo”, você está desenvolvendo um produto ou alguma coisa maior e precisa ter isso em mente o tempo inteiro. Seu objetivo é entregar um software de qualidade, performático, bem testado, manutenível e que atenda ao seu cliente/objetivo. O seu objetivo não é usar as ferramentas da sua empresa ou as tecnologias que você gosta. Pense nisso.

[Dev in Rio 2009] Balanço do evento

Saturday, September 26th, 2009

Ufa… Depois de uma semana de correria para o fechamento do Dev in Rio finalmente estou conseguindo escrever um post!

Mesmo tendo sido idealizado, planejado e executado em pouco mais de 20 dias, o Dev in Rio 2009 foi excelente, um sucesso total! Conseguimos reunir em plena segunda-feira cerca de 400 pessoas para falar de desenvolvimento de software, se divertirem no Dojo e terem um dia de muita diversão que terminou no maior #Horaextra de todos os tempos.

O Dev in Rio 2009 começou na hora programada quando eu e meu amigo Henrique Bastos abrimos o evento. Rapidamente falamos sobre o evento e sobre como seria o nosso dia. Tratamos de como achamos importante a interação entre comunidades e aprender com pessoas especializadas em tecnologias diversas. Aproveitamos também para agradecer muito aos nossos patrocinadores, apoiadores, comunidades e amigos que nos ajudaram muito mais do que vocês possam imaginar.

Dev in Rio 2009 - Abertura
* Henrique Bastos e eu na abertura do Dev in Rio.

Abrindo os trabalhos, disparamos as duas trilhas do Dev in Rio 2009. No auditório principal, aconteceriam as palestras programadas, enquanto no foyer seria realizado o Coding Dojo.

O Coding Dojo é uma arena de programação organizada pela turma do Dojo Rio em conjunto com o Dojo@SP. A idéia é atacar problemas simples e lúdicos, utilizando técnicas de programação como Test-Driven Development e Modelagem SOLID. Este definitivamente foi o gol de placa do dia – o Dojo funcionou muito melhor do que nós poderiamos imaginar (exceto o Dojo de Java que não foi lá muito popular, tenho que admitir).

Dev in Rio 2009 - Coding Dojo
* Coding Dojo do Dev in Rio: 3 metros de código na parede!

Dev in Rio 2009 - Coding Dojo
* Galera participando do Coding Dojo do Dev in Rio.

A primeira palestra foi a do Ryan Ozymek, que entrou em cena com seu famoso pinguim para falar de sua experiência com software livre e a comunidade Joomla! Ele detalhou o funcionamento de uma grande comunidade de desenvolvimento e deu sua visão de empresário sobre como usar software livre para alavancar os negócios da sua empresa.

Logo depois, Guilherme Silveira e Nico Steppat trataram de um tema bastante polêmico: Java está morto? Abordaram os fatos de que existem muitas coisas além da linguagem no mundo Java e que apesar da linguagem estar “caducando” a JVM ainda pode ser muito útil.

Depois do almoço, Fabio Akita não deu trégua para quem estava com sono e fez uma excelente apresentação sobre o ecossistema Ruby on Rails com direito a videos, screencast e bastante informação além do código. Ele não sabe mas tirou o fôlego das meninas da tradução simultânea!

Na sequência, o (praticamente carioca) Jacob Kaplan-Moss fez sua apresentação sobre Django, o framework web para perfeccionistas desenvolvido em Python. Ele falou dos conceitos e valores que guiaram o desenvolvimento do projeto, além de mostrar um pouco de código para dar uma idéia ao público de como usar o Django na prática.

A última palestra do dia foi feita por Jeff Patton, que falou sobre desenvolvimento de produtos com métodos ágeis. Utilizando como narrativa a história de um projeto realizado em conjunto com Obie Fernandez, diversos problemas comuns no desenvolvimento de software (e suas soluções) foram destacados.

No final, nosso grande amigo Vinicius Manhães Teles liderou um bate-papo entre palestrantes, comunidades e o público. Tivemos a impressão de que se não controlassemos o relógio a conversa teria varado a noite, pois não faltavam assuntos e perguntas interessantes. O público participou bastante e foram levantadas questões como empreendedorismo e polêmicas como a estúpida regulamentação da profissão de analista de sistemas.

Dev in Rio 2009 - Discussão
* Discussão liderada por Vinicius Teles. E antes que alguém pergunte, não, não é o cara do Myth Busters que está na foto, é o Jeff Patton.

Enquanto isso tudo rolava, eu, Henrique e o Gustavo Guanabara e a Flavia Freire (jornalista da Arteccom) passamos o dia gravando um gigantesco Podcast do evento, entrevistando o pessoal e filmando os bastidores. Falamos com palestrantes, patrocinadores e participantes sobre todos os assuntos abordados nas palestras! Guanabara, termina logo de editar esse treco porque eu tô ansioso pra ouvir! :) Veja o “making of” de alguns dos Podcasts com o Ryan Ozimek, com Guilherme e Paulo Silveira e com Fabio Akita e Marcos Tapajós. Assim que finalizarmos as edições vamos divulgar todo esse material.

Dev in Rio 2009 - Gravação do Podcast
* Guanabara gravando Podcast com Fabio Akita e Marcos Tapajós (e datalhe: ao fundo Guilherme Silveira e Paulo Silveira fazem Pair Programming).

Como o evento foi realizado numa segunda-feira, fechamos o evento convidando todos os participantes (ao som de “Estamos todos bêbados” do Matanza e com coreografia de Sylvestre Mergulhão e Henrique Andrade) para uma edição épica do #Horaextra no Lapa 40º. A entrada era gratuita para quem apresentasse o crachá do Dev in Rio 2009 e assim realizamos o maior #Horaextra de todos os tempos:


* Veja mais videos do Dev in Rio 2009.

Tenho certeza de que esse post não consegue transmitir 0,001% do que foi o Dev in Rio 2009 e a minha felicidade de ter conseguido realizá-lo. Gostaria de agradecer mais uma vez o apoio fundamental de toda a galera da Globo.com que viabilizou o evento, dos nossos patrocinadores Caelum, Locaweb e D-Click e de todos que nos apoiaram de alguma forma: Associação PythonBrasil, Fábrica Livre, Myfreecomm, OpenSourceMatters, Arteccom, DojoRio, Dojo@SP, #Horaextra, PythOnRio, RioJUG, RubyInside Brasil, Guanabara.info e todas as pessoas que participaram do Dev in Rio 2009. Sem vocês nada disso teria sido possivel.

Dev in Rio 2009 - Galera no final
* Participantes da mesa redonda do Dev in Rio.

Se você não foi no Dev in Rio, tenho duas coisas para te dizer: (1) você perdeu uma farra das melhores mas (2) em breve vamos disponibilizar os vídeos das apresentações para amenizar sua dor. :)

E que venha 2010!

Dev in Rio 2009: eu vou!

Thursday, August 20th, 2009

É com muito orgulho que apresentamos o Dev in Rio 2009, uma conferência inédita sobre desenvolvimento de software que acontecerá no próximo dia 14 de setembro no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro!

O evento está sendo organizado por mim (Guilherme Chapiewski) em parceria com o meu amigo Henrique Bastos e a realização está sendo coordenada pelas nossas experientes amigas da Arteccom (e tê-las ao nosso lado já garante que este será um evento para marcar o circuito carioca).

Nossa programação conta com três palestrantes nacionais e três internacionais falando sobre Open Source, Java, Ruby on Rails, Django e desenvolvimento ágil de software:

“O molho secreto”: como as comunidades do Joomla! e Open Source estão melhorando o cenário de tecnologia… e mudando o mundo!

Ryan OzimekRyan Ozimek é atual membro do Steering Committee da Open Source Initiative, membro da diretoria da Open Source Matters e co-fundador e CEO da PICnet Inc. Com enfoque em tecnologias open source, Ozimek está constantemente a procura de formas em que a Internet possa servir melhor o “bem maior” e, mais especificamente, as entidades sem fins lucrativos.

O Java está morto?

Guilherme SilveiraGuilherme Silveira é especialista em Java para a web e graduando em matemática computacional na USP, ministrou diversas palestras relacionadas ao tema em eventos e empresas pelo Brasil. Atualmente é commiter do CodeHaus pelos projetos XStream e Waffle, além de um dos responsáveis pelo desenvolvimento do VRaptor.

Nico SteppatNico Steppat é Engenheiro da Computação Aplicada na Fachhochschule Brandenburg na Alemanha, é instrutor, consultor e desenvolve há cinco anos com Java no Brasil e Alemanha, atuando agora na Caelum com enfoque especial em EJB. É o responsável técnico no Rio de janeiro. Escreve para a revista MundoJava e possui as certificações SCJP, SCWCD, SCBCD e SCEA.

Ecossistema Ruby on Rails

Fabio AkitaFabio Akita é Gerente de Produtos de Hospedagem na Locaweb e ajudou a implantar Ruby on Rails pela primeira vez num grande hosting no Brazil. Ano passado também organizou o Rails Summit Latin America, o primeiro grande evento de Rails na América do Sul. Trabalhou na consultoria americana Surgeworks LLC, prestando serviços relacionados a projetos Ruby on Rails, com o cargo de Brazil Rails Practice Manager.

Django: o framework web para perfeccionistas com prazos

Jacob Kaplan-MossJacob Kaplan-Moss é um dos líderes de desenvolvimento e co-criador do Django. Jacob é um desenvolvedor de software experiente com foco em desenvolvimento de aplicações web e arquitetura de gerenciadores de conteúdo. Em 2005, Jacob ingressou no Lawrence Journal-World, um jornal local em Lawrence, Kansas, e ajudou a desenvolver e tornar open source o projeto Django. É também co-autor do livro “The Definitive Guide to Django” (Apress, 2007).

Desenvolvimento ágil e iterativo de produtos

Jeff PattonJeff Patton cria e desenvolve software nos últimos 15 anos desde sistemas de pedidos de peças de aeronaves até fichas médicas eletrônicas. Jeff se focou em metodologias ágeis desde que trabalhou com um time de Extreme Programming em 2000. Em particular, Jeff se especializou na aplicação de práticas de user experience design (UX) para melhorar requisitos ágeis, planejamentos e produtos. Desde 2007, Jeff tem aplicado Lean thinking e práticas de desenvolvimento com Kanban e Scrum para ajudar times a focarem na entrega de valor.

Vinicius TelesPara fechar com chave de ouro, no encerramento do evento faremos um bate-papo com os palestrantes, alguns membros das comunidades de desenvolvimento e a participação especial do meu amigo Vinicius Teles!

Como se isso tudo já não fosse suficiente, enquanto todas essas apresentações estão acontecendo teremos sessões de Coding Dojo rolando do lado de fora com participação especial dos nossos palestrantes (caso eles consigam ficar por lá)! Estamos planejando fazer um Dojo de Python, um de Ruby e um de Java!

Será simplesmente incrível, ninguém pode ficar de fora dessa!

As inscrições podem ser feitas no site do evento (http://www.devinrio.com.br) e custam apenas R$ 65,00. Todos os inscritos terão direito a participar de todas as sessões, incluindo o Dojo.

Nosso encontro será numa segunda-feira, ou seja, se você não for do Rio de Janeiro já tem uma ótima desculpa para passar o fim de semana aqui, assistir uma ótima conferência na segunda-feira e voltar para o trabalho cheio de idéias na terça!!! Ainda estamos tentando fechar uma parceria com algum hotel para oferecer desconto para participantes do evento. Fiquem ligados nas novidades por aqui ou pelo Twitter!

Gostaria de deixar registrados meus sinceros agradecimentos para os nossos patrocinadores Locaweb e Caelum, além de outras organizações que nos apoiaram de alguma forma: Associação Python Brasil, Fábrica Livre, Open Source Matters e Myfreecomm. E por último, meu mais sincero agradecimento para a Globo.com pois ela é a principal responsável por viabilizar essa idéia! Obrigado por mais uma vez acreditarem nesse louco aqui tarado por desenvolvimento de software! Não tenho palavras pra dizer o quanto é gratificante fazer parte dessa equipe!

Então nos vemos no Dev in Rio 2009! Faça agora sua inscrição no nosso site! Fique ligado também no Twitter do @devinrio para concorrer a inscrições gratuitas!

Ah, e uma última coisa. Por favor, nos ajudem a divulgar o evento! Falem com seus amigos, postem nos seus blogs, Twitters, coloquem nossos banners nos sites de vocês, enfim, por favor nos ajudem a divulgar esse evento! Vamos fazer barulho no Rio de Janeiro!

Cadê meu Sedex?

Wednesday, March 11th, 2009

Quem usa o serviço de Sedex e encomendas dos Correios sabe como é um saco entrar no site dos Correios para saber onde está sua encomenda. Como eu vendo e compro bastante coisa no Mercado Livre, há alguns anos desenvolvi um widget para Mac OS X que facilita buscar essas informações, mas acabei não usando muito porque não era prático o suficiente.

Na sexta-feira passada conversando com uns amigos tive a idéia de fazer um brincadeira no Twitter que poderia ser uma solução suficientemente prática: você digita no Twitter @cade_meu_sedex SO376590583BR” (usando o número da sua encomenda ao invés do meu, obviamente) e o macaco dos Correios diz pra você qual é o status mais recente disponível no site dos Correios. :)

cade_meu_sedex

Fazendo essa brincadeira acabei desenvolvendo uma API Ruby e de webservices REST para consulta ao site dos correios, que foi batizada com o misterioso nome de “correios-api”. Essa API já está disponível como uma RubyGem e no site do projeto tem instruções para instalação e uso.

Tanto o robô quanto a API foram desenvolvidos em Ruby e os códigos estão no meu Github para quem quiser dar uma olhada. No caso dos webservices foi especialmente ridículos fazê-los usando o Sinatra, que é um framework sensacional e absurdamente simples.

A próxima feature desse projeto será criar métodos para fazer orçamento de encomendas, que foi uma idéia dada pelo pessoal da lista Rails-BR. Se alguém tiver outras idéias ou quiser colaborar seja bem-vindo!

Explorando metaprogramação em Python: django-supermodels

Tuesday, March 10th, 2009

Esses dias trabalhando com Python comecei a me perguntar se seria possível fazer no Django alguma coisa parecida com os finders dinâmicos do Rails.

A maioria das pessoas que lêem esse blog devem saber do que se trata mas em todo caso funciona assim: se uma classe Person do model do Rails tem uma propriedade “name” e outra propriedade “country”, você ganha automaticamente uma série de métodos dinâmicos para buscas por objetos dessa classe:

Person.find_by_name("Guilherme")
Person.find_by_country("BR")
Person.find_by_name_and_country("Guilherme", "BR")
# e outros...

Tudo isso é possível graças à funcionalidade de method missing do Ruby. Quando um método que não existe é invocado em uma classe, uma exceção do tipo NoMethodError é lançada. Alternativamente você pode implementar na sua classe o método method_missing, que é automaticamente invocado quando são invocados métodos que não existem.

class Exemplo
  def method_missing(metodo, *args)
    puts "Chamou '#{metodo}' com os params. '#{args}'"
  end
end
Exemplo.new.um_metodo_qualquer("teste")
 
# retorna: 
# "Chamou 'um_metodo_qualquer' com os params. 'teste'"

Usando essa funcionalidade foi possível fazer o tratamento dessas chamadas find_by_* traduzindo para chamadas comuns ao método find(…) com parâmetros.

Na minha pesquisa para ver se isso era possível em Python, acabei criando o projeto django-supermodels (créditos ao Ramalho pelo nome infame), que é uma extensão dos models do Django para prover essa funcionalidade.

Para minha surpresa foi trivial implementar exatamente a mesma coisa em Python usando o método __getattr__, que também é invocado caso um método/atributo não exista:

class Exemplo(object):
  def __getattr__(self, metodo):
    def method_missing(*args):
      print "Chamou '%s' com os params. '%s'" % (metodo, args)
    return method_missing
Exemplo().um_metodo_qualquer("teste")
 
# retorna:
# "Chamou 'um_metodo_qualquer' com os params. '('teste',)'"

Foi um pouco mais difícil fazer isso funcionar dentro do Django, porque a classe django.db.models.Model é construída de uma forma muito estranha que dificulta demais que a minha classe simplesmente herde da classe do Django. No fim das contas acabei criando os finders dinâmicos no manager, que é o objeto que dá acesso às buscas de objetos no banco de dados. Ficou assim:

Person.objects.find_by_name('Guilherme Chapiewski') 
Person.objects.find_by_id(2)
Person.objects.find_by_name_and_id('Guilherme Chapiewski', 2)
Person.objects.find_by_id_and_name(2, 'Guilherme Chapiewski')
 
Person.objects.find_by_nonexistingfield('something')
# Cannot resolve keyword 'nonexistingfield' into field.
# Choices are: age, birth_date, country, id, name

Estou trabalhando para não precisar usar o “.objects” assim como é no Rails, mas isso está dando um pouco mais de trabalho porque envolve entender melhor a forma que o model é criado dentro do Django. Depois disso vou trabalhar também em algumas opções mais poderosas de finders para poder justificar de verdade seu uso.

Antes que alguém fale, não estou tentando transformar o Django em Rails, estou apenas criando um extensão do model que eu acho bem legal e útil, e que você pode usar ou não. :)

O código fonte está disponível no meu Github. Já é possível usar esse plugin no seu projeto Django bastando apenas instalar o egg do projeto. Para isso, baixe o código fonte e execute “sudo python setup.py install”. Para saber como usar, veja a aplicação Django “example” que está incluída no código fonte.

Como esse projeto nasceu de um código de estudo está um pouco desorganizado, mas pretendo resolver isso em breve.

Sugestões são bem-vindas!

[QCon 2007] Neal Ford: Building DSLs in Static and Dynamic Languages

Tuesday, November 13th, 2007

QCon 2007 - Neal FordNeal Ford da ThoughtWorks fez mais uma apresentação sobre Domain Specific Languages, desta vez mostrando alguns aspectos do desenvolvimento de DSLs em linguagens com tipagem estática e dinâmica.

Ele evoluiu sobre a idéia de que uma DSL é um estilo declarativo de programação ao invés de imperativo. Um exemplo é a linguagem SQL. Em SQL você não diz como você quer alocar memória ou como organizar ponteiros e listas, você só diz o que quer e o banco de dados “descobre” como atender seu pedido.

DSLs podem ser usadas como uma camada de abstração sobre APIs, assim como Java poderia ser considerado uma camada de abstração sobre C, por exemplo. Veja os dois códigos a seguir que exemplificam esta diferença. O primeiro código é um código típico de API e o segundo código seria uma DSL wrapper para esta API:

// API
Car car = new CarImpl();
MarketingDescription desc = new MarketingDescriptionImpl();
desc.setType("Box");
desc.setSubType("Insulated");
desc.setAttribute("length", "50.5");
desc.setAttribute("ladder", "yes");
desc.setAttribute("lining type", "cork");
car.setDescription(desc);
 
// Fluent Interface
Car car = new Car.describedAs()
		.box()
		.length(12)
		.includes(Equipment.LADDER)
		.has(Lining.CORK);

A partir daí o Neal mostrou algumas técnicas para construir DSLs como aninhamento e encadeamento de métodos, finalizar/salvar “transações” e outras coisas mais. Também falou sobre as vantagens de se utilizar linguagens dinâmicas como Groovy e Ruby para tirar proveitos de features como closures, classes abertas, tipagem dinâmica e sintaxe menos rigorosa que a do Java.

Mais uma vez a questao dos testes foi enfatizada. Muito provavelmente as DSLs vão evoluir ao longo da vida do sistema e é necessário ter uma suite de testes verificando cada pequena parte e garantindo que os incrementos nela não trarão efeitos colaterais. Trabalhar com DSLs sem testes é um pesadelo!

Algumas coisas que você precisa ter em mente ao criar DSLs:

  • Pense sempre na DSL perfeita. Mesmo que você não consiga chegar na perfeição, pensar no melhor caso possível vai te ajudar a te guiar pelo melhor caminho. Neste caso utilizar uma técnica como TDD pode ajudar bastante pois você irá determinar onde quer chegar antes mesmo de começar a codificar.
  • Utilize um contexto pequeno. Não tente criar uma DSL super genérica, escreva um domínio especializado.

Download

[QCon 2007] Martin Fowler e Neal Ford: Domain Specific Languages

Wednesday, November 7th, 2007

Segundo dia de QCon e hoje foi a vez de Martin Fowler e Neal Ford falarem sobre Domain Specific Languages.

QCon 2007 - Martin Fowler - Domain Specific LanguagesCom dois profissionais desse nível dá pra imaginar como o tutorial foi espetacular! O Fowler é sem sombra de dúvidas o melhor palestrante que já tive a oportunidade de ver. O ritmo que ele impõe é sensacional e a paixão com que ele fala do assunto é contagiante!

Para melhorar ainda mais o dia começou com uma ótima notícia: o Fowler está escrevendo neste momento um novo livro sobre DSLs. O livro já está no forno há um ano e já tem muita coisa escrita. Toda a apresentação de hoje foi baseada no seu novo livro e inclusive tivemos acesso a todo o material da sua pesquisa e o primeiro draft do livro! Está sensacional! O Neal também está escrevendo um livro sobre Ruby e DSLs, porém pelo que eu entendí está num estágio bem menos avançado.

Como o material da apresentação fará parte desse novo livro a distribuição foi proibida. Já que não dá para colocar o material aqui vou falar resumidamente sobre os assuntos abordados durante o dia, que foi dividido em três grandes partes.

Na primeira parte os dois apresentaram um introdução sobre o que são DSLs e como elas podem ser úteis. Eles criaram um framework imaginário (uma máquina de estados) e começaram a mostrar todos os problemas de quando este framework é desenvolvido como uma API. Em seguida eles criaram uma “casca” em torno dessa API (uma Fluent Interface) para facilitar o uso da mesma.

A partir daí eles definiram os conceitos de DSL interna e externa. DSLs internas são como as Fluent Interfaces, que são escritas na linguagem do sistema (Java, por exemplo). DSLs externas são escritas em qualquer outra linguagem separada da linguagem do sistema e precisam de um compilador ou interpretador para serem executadas.

Os benefícios mais notáveis de construir DSLs são a melhoria na produtividade do desenvolvimento (porque o código da lógica de negócio é mais limpo e mais fácil de ser evoluído) e a melhoria na comunicação com os especialistas do domínio (porque as regras de negócio são escritas numa linguagem conhecida pelo especialista, facilitando o entendimento do código).

QCon 2007 - Neal Ford - Domain Specific LanguagesNo entanto também existem uma série de problemas. É necessário ter muito cuidado para criar um design bom que possa ser evoluído ao longo do tempo. DSLs algumas vezes são extremamente complicadas de serem implementadas mas o impacto é muito positivo. Um exemplo real pode ser visto em um post que fiz há algumas semanas sobre uma Fluent Interface que implementei em um projeto, que trouxe vários benefícios interessantes.

Uma das formas mais comuns de se criar DSLs é o padrão que eles chamaram de “Framework Out-Language In”, onde você começa com a construção de um framework e em seguida define uma DSL em volta dele (como um Façade). Utilizar técnicas de Domain-Driven Design pode ajudar bastante pois evoluindo a Ubiquitous Language você enriquece a comunicação/vocabulário do sistema, que fatalmente irá colaborar para a criação de DSLs mais ricas e que refletem melhor ainda o domínio.

Não é nem preciso dizer que eles bateram muito forte na questão dos testes. Como a programação de DSLs é complexa, é essencial testar muito bem cada pequena parte e variação possível! Além disso técnicas de Test-Driven Development certamente ajudarão a criar DSLs mais fáceis de serem usadas (porque se não for fácil de usar você fez alguma coisa errada).

Na segunda parte da apresentação o Neal Ford apresentou um tutorial prático de como criar DSLs internas em Java, Groovy e Ruby.

Essa apresentação foi bem mão-na-massa e ensinou várias técnicas para criação de DSLs internas. Ele mostrou vários exemplos utilizando encadeamento e aninhamento de métodos fazendo wrappers em coisas conhecidas como Log4J e java.util.Calendar.

Na terceira e última parte o Fowler apresentou um tutorial sobre como projetar e quais ferramentas podem ser utilizadas para a criação de DSLs externas. Essa apresentação foi bem mais teórica que a do Neal.

Ele mostrou como fazer para criar um parser de sintaxe, que consiste em um “lexer” (um tokenizador de texto), um parser (analisador sintático que organiza os tokens em uma árvore), um analisador semântico (que checa as regras de construção das frases) e a produção de alguma saída (que significa produzir qualquer coisa útil, como popular certos objetos e fazer certas operações).

Qcon 2007 - DSLDomain Specific Languages é uma técnica muito antiga. Muito antes do próprio Fowler começar a escrever e estudar sobre o assunto várias DSLs já existiam por aí (o melhor e mais clássico exemplo é a linguagem SQL utilizada em bancos de dados).

A opinião dos dois é que DSLs realmente prometem trazer várias melhorias no desenvolvimento de software, especiamente no que diz respeito a programação das regras de negócio e interação com os especialistas de domínio. No entanto eles acham que não existirá um dia em que os programadores serão desnecessários e que tudo será feito a base de DSLs, tampouco que este seja um assunto que terá um boom enorme e que mudará a vida de todo mundo. Eles acham que trata-se simplesmente de mais uma técnica útil para desenvolver software de qualidade.

Rio on Rails

Tuesday, October 23rd, 2007

Logo Rio on RailsNo início de dezembro teremos um evento bem legal no Rio: o Rio on Rails. O evento será realizado no auditório do SENAC, na Rua Santa Luzia, 735 – o mesmo local onde são realizadas as reuniões do RioJUG.

Ainda não foram divulgados os tópicos do evento mas considerando os palestrantes podemos esperar muita coisa sobre Rails (obviamente) e desenvolvimento ágil.

O evento terá participações de Fábio Akita, Carlos Eduardo, Ronaldo Ferraz, Danilo Sato, Demetrius Nunes e a equipe da ImproveIt.

Fique ligado e faça sua inscrição voando porque serão poucas vagas!