Posts Tagged ‘RH’

Um empresa inteira “ágil”?

Wednesday, December 16th, 2009

Conversando no mês passado com meu amigo Siraj ficamos nos perguntamos porque a “filosofia” ágil não emplaca nas empresas como um todo. O que eu quero dizer é que é razoavelmente fácil hoje em dia encontrar o departamento de desenvolvimento de produtos/software de uma empresa usando métodos ágeis, mas o que falta para o RH, Marketing, Financeiro, Administrativo, Comercial e todos os outros departamentos também entrarem nessa?

Quando você começa com desenvolvimento ágil não é só o processo de desenvolvimento de software que muda mas também vários detalhes de como a sua empresa funciona. Por exemplo, é muito difícil imaginar um time ágil que funcione com “comando-e-controle”. Os times são auto-gerenciados, o que implica em um outro estilo de gestão. Ao invés de chefes que cobram, aparecem os líderes-servidores, que dão todos os recursos possíveis para que seus times possam trabalhar e tomar decisões. A base da pirâmide é que passa a decidir e não mais o topo, porque eles são os mais indicados por deterem o melhor conhecimento para fazer isso. Em alguns casos mais extremos em empresas mais modernas como a Semco, são os próprios funcionários que contratam seus gerentes.

Ou seja, quando falamos de métodos ágeis, por mais que estejamos nos referindo aos métodos ágeis de desenvolvimento de software existem uma porção de outros conceitos e filosofias que acabam entrando no mesmo barco por serem tão intimamente relacionados.

Tenho um exemplo para tentar explicar melhor onde eu quero chegar. Uma vez eu trabalhava numa empresa de tamanho razoável que, como várias outras desse porte, tinha um tradicional departamento de RH. Num dia eu tive um problema bem urgente e precisei da ajuda do pessoal do RH. Quando fui conversar com eles, duas coisas desagradáveis aconteceram. Primeiro, eles me trataram mal e como se estivessem fazendo um favor pra mim. Segundo, eles disseram que meu pedido só seria atendido em alguns dias, porque eles tinham muitas coisas importantes para fazer. O que acontece é que minha filha estava muito doente, eu tive um problema com meu plano de saúde e eles não estavam liberando meu atendimento por nada. Um time de RH com a “cultura ágil” saberia em primeiro lugar que, dado que eu sou o principal “usuário” deles, eu mereço atenção, respeito e os meus problemas são os problemas deles. As urgências dos funcionários deveriam ser mais importantes do que qualquer papelada que eles tenham para fazer. E em segundo, mesmo que o backlog deles fosse absurdamente grande, um assunto com tamanha severidade com certeza “furaria” a fila.

Então, quando eu digo que outros departamentos das empresas poderiam ser “ágeis”, não estou sugerindo que eles trabalhem com desenvolvimento ágil de software – o que não faria nenhum sentido – mas sim que eles usem os mesmos conceitos de liderança, times auto-organizados trabalhando num ambiente participativo, baseado na confiança e cooperação, fazendo um movimento e esforço maiores para entenderem quem de fato são seus “usuários” e quais são suas necessidades, criar visões para seus produtos e departamentos (que os ajudariam a tomar melhores decisões) e por aí vai.

Pegando esse departamento de RH que falei acima como exemplo, não seria perfeitamente aceitável que eles fizessem um exercício de personas para descobrirem qual é o perfil dos seus usuários? Não seria ótimo que eles fizessem sessões de chartering, discutissem seus valores, fizessem retrospectivas para descobrirem como melhorar seu processo e assim por diante? Imagine quão transparente e organizado seria chegar na sala deles e ver um quadro de Kanban mostrando sua linha de atividades, o progresso delas e os gargalos da equipe?

Acho que talvez isso não aconteça porque grande parte do material e exemplos disponíveis sobre esses assuntos estão formatados para pessoas relacionadas à desenvolvimento de software. Sim, existem livros como os do Ricardo Semler que estão categorizados nas livrarias como “Administração” ou “Negócios”, mas não sei porque o pessoal de Administração e Negócios não parece se interessar por esses assuntos. Porque será?

Já está na hora desse “fork” entre a comunidade ágil das empresas e as outras áreas acabar. Chega uma hora que parece que existem duas empresas funcionando totalmente diferentes dentro de uma. Precisamos trazer pessoas das outras áreas e outros níveis hierárquicos para as conferências e para o nosso mundo. Vou adorar o dia que eu for na Agile Conference e conversar com Gerentes de RH, VPs de Marketing e outras pessoas que não sejam do departamento de desenvolvimento; ou então quando for nas reuniões de grupos de usuários e não encontrar somente os “agilistas” mas também os administradores, os analistas de recursos humanos, os contadores e por ai vai.

E aí, por onde vamos começar?

Plano de cargos e salários…

Sunday, February 15th, 2009

Me incomoda muito o fato de que desenvolvedores precisam virar gerentes ou coordenadores para ganhar mais.

<história>
Era uma vez um desenvolvedor muito bom e muito eficiente. Ao longo da sua carreira ele foi aprimorando suas habilidades e técnicas e se tornou um super desenvolvedor com um conhecimento técnico absurdo, uma vasta experiência em arquiteturas de software e poliglota em linguagens de programação. Nesse momento ele repara que já é um desenvolvedor sênior ++ na empresa que ele trabalha e por isso não tem como ganhar mais do que ele já ganha a não ser que ele vire gerente. Então, querendo ganhar mais, o excelente técnico que programava e resolvia problemas técnicos com eficiência é obrigado a virar um gerente, porque a empresa não dá para ele outra forma de evoluir financeiramente. O detalhe é que ele não tem nenhuma habilidade para gerir pessoas ou projetos, além de que ele odeia fazer isso. O que ele gostava mesmo era de programar, mas ele não teve escolha. Resumindo: a empresa trocou um excelente técnico por um péssimo gerente e ainda está pagando mais por isso!
<história/>

Já repararam como esse padrão se repete nas empresas brasileiras?

Se você nunca parou pra pensar nisso, pense agora: é muito difícil um programador ganhar mais do que um gerente e por sua vez é muito difícil um gerente ganhar mais que um diretor. A lógica do mercado é a velha lógica do plano de cargos e salários: quanto maior for o seu nível hierárquico, mais você ganha.

O problema é que isso não faz sentido. O argumento preferido das pessoas normalmente é que “os gerentes ganham mais porque tem mais responsabilidades”. Eu discordo totalmente. Por exemplo, um amigo me contou ontem que um funcionário da empresa onde ele trabalhava tirou do ar o sistema de transações financeiras de uma grande empresa, causando com isso algumas centenas de milhares de dólares de prejuizo em poucos minutos. Neste caso, um erro de um desenvolvedor provocou uma catástrofe maior do que 10 anos de erros de uma dezena de gerentes juntos. E então, quem é que tem mais responsabilidade nas mãos?

Outra coisa que me incomoda nos planos de cargos e salários são aquelas regras do tipo “gerentes ganham na faixa de R$ X a R$ Y“: se o cara ganha menos que X não pode ser gerente e se ganhar aumento para mais que Y tem que ser promovido a diretor. Isso também não faz sentido. Em todas as empresas que eu trabalhei conheci gerentes excepcionais e gerentes absurdamente idiotas. Por incrível que pareça os excepcionais com toda sua genialidade sempre ganhavam (e ganham) o mesmo que os idiotas, por causa do maldito plano de cargos e salários. Isso pra mim soa como gado: independente das suas características individuais, uma cabeça de gado custa o mesmo que outra.

Eu trabalho e já trabalhei com vários desenvolvedores de valor altissimo. Não falo isso pelo que eles ganham ou ganhavam, mas sim porque em várias situações eles criaram soluções que melhoraram ou mudaram completamente (para melhor) a forma que as pessoas trabalhavam. Algumas dessas coisas foram tão geniais que eu diria que o valor foi inestimável. Eu também já tirei meus coelhos da cartola e sei que eles foram de grande valor para as empresas que eu trabalhei.

Não deveriam ser esses tipos de coisas que determinam o quanto as pessoas devem ganhar?

Em empresas de software, onde é comum encontrar esse tipo de pessoas, deveria ser normal ter desenvolvedores altamente especializados com remunerações maiores que as de gerentes ou diretores, mas isso é tão improvável que eu diria que é praticamente impossível – pelo menos no Brasil. Já em empresas como Google, Yahoo e cia., isso é possível e normal. Na Globo.com temos alguns casos desse tipo, mas são excessões. Isso está em fase embrionária e é muito muito muito longe do que deveria ser.

Naquela história que eu contei no início não consigo pensar em um motivo sequer para a empresa não manter o funcionário como desenvolvedor e dar o aumento que ele merece. Esqueça o plano de cargos e salários e veja como faz sentido: isso seria muito melhor para a empresa – porque o funcionário iria agregar muito mais valor sendo desenvolvedor e iria ajudá-la a lucrar muito mais – e seria melhor para o desenvolvedor – porque ele iria fazer o que gosta, o que é mais experiente e o que estudou sua vida toda para fazer.

Até quando as empresas vão continuar colocando as pessoas certas nos lugares errados?