Posts Tagged ‘Python’

[EDTED Florianópolis] Eu fui!

Sunday, May 24th, 2009

Nesse último sábado estive em Florianópolis participando do 14o. Encontro de Design e Tecnologia Digital (ou simplesmente #edted para os “Twitteiros”). O evento já passou pelo Rio de Janeiro e São Paulo e ainda vai passar por mais 6 cidades até o fim do ano (veja a programação).

Nas outras duas cidades percebí que minha apresentação ficou confusa porque fiz uma mistura de tecnologia com processo de desenvolvimento que eu senti que não deu muito certo. Então em Floripa decidi jogar todo o plano fora e fazer um totalmente novo, separando em duas apresentações.

Introdução a metodologias ágeis

Nessa apresentação tentei explicar metodologias de desenvolvimento ágil de software da forma mais simples e mais abrangente possível. Meu objetivo era fazer algo que pudesse servir tanto para quem nunca teve nenhum contato saber do que se trata como para quem já conhece aprender alguma coisa nova. Para isso eu fiz um paralelo com algumas historinhas e acabou virando uma apresentação bem humorada, despojada e (acredito eu) fácil de entender. Pelos comentários que li no Twitter parece que dessa vez “acertei a mão”. :)

No final falei de alguns livros para se aprofundar no assunto que foram:

Python Coding Dojo: O primeiro passo para se tornar um programador Python Samurai

Nos últimos meses tenho trabalhado bastante com Python e tenho gostado muito. Graças a isso e a confiança do pessoal da Arteccom no meu trabalho, resolvi fazer uma coisa bem diferente e um pouco ousada: tentar ensinar Python em apenas duas horas usando um formato de Coding Dojo! Essa apresentação foi uma cópia da minha apresentação no PythOnCampus, porém dei uma reduzida no conteúdo, adicionei uma breve introdução sobre Coding Dojo e troquei o formato para ter uma seção prática de programação.

Apesar de ter conseguido fazer uma boa introdução e passado bastante informações sobre a linguagem, é claro que o objetivo não era fazer com que as pessoas saissem de lá sabendo fazer tudo em Python. Elas apenas tiveram um primeiro contato com a linguagem, viram que não é nenhum bicho de 7 cabeças (muito pelo contrário) e ainda se divertiram programando em par no palco, fazendo TDD e resolvendo desafios de programação. Me surpreendi pela procura/interesse do pessoal e pelo feedback me parece que também deu certo.

De quebra também mostrei para o pessoal como funciona um Dojo, quais os objetivos e benefícios. É uma prática muito legal e muito fácil de fazer, qualquer um pode (e deveria) organizar um Dojo na sua empresa ou com seus amigos.

Para quem quiser saber mais sobre o que vimos:

Não vou disponibilizar os slides porque eles em sua maioria só tem um monte de fotos e palavras desconexas que não servem pra nada sem mim, são apenas um suporte para a apresentação. Além do mais, não quero fazer spoiler para o pessoal das outras cidades.

É isso aí pessoal, obrigado pela recepção calorosa e pelo bate papo! Nos vemos na próxima! ;)

[PythOnCampus-RJ] Eu fui!

Monday, May 11th, 2009

Adorei participar do PythOnCampus nesse último sábado e conhecer várias pessoas muito legais da comunidade Python carioca (que não vou citar para não correr o risco de esquecer alguém)! Vejam as fotos no blog da comunidade PythOnRio.

Minha palestra sobre Testes e Qualidade de software em Python foi bem divertida! Quando percebí que a galera estava bem interessada eu deliberadamente estourei totalmente o tempo e ficamos quase duas horas falando sobre conceitos de testes, TDD e outras práticas de XP, doctest, unittest, pMock, Pyccuracy e por aí vai… Mais do que teoria, vimos bastante código Python!

Para quem não conseguiu anotar, a bibliografia que recomendei no final foi a seguinte:

Nas próximas semanas o PythOnCampus será repetido em outras faculdades pelo Rio de Janeiro. Acompanhem o site da comunidade PythOnRio para ficarem por dentro das datas e dos detalhes.

PythOnCampus-RJ, uma oportunidade para conhecer mais sobre Python

Thursday, May 7th, 2009

Nesse próximo sábado vai acontecer o PythOnCampus, um evento sobre Python promovido pela comunidade PythOnRio para disseminar informações sobre Python e software livre.

Eu estarei por lá falando sobre Testes e Qualidade de software em Python. Será uma apresentação bem prática (hands-on) onde vou explicar a importância de se desenvolver com testes (antes) e mostrar algumas ferramentas para desenvolver testes unitários e funcionais em Python. Haverão também outras apresentações sobre diversos assuntos como Django, jogos em Python, Pyrobotics e mais. Veja a grade de programação completa.

O evento será na Universidade Gama Filho no campus de Piedade no dia 09/maio/2009 a partir das 09:00 horas e a entrada é gratuita, basta se inscrever no site da Gama Filho.

Explorando metaprogramação em Python: django-supermodels

Tuesday, March 10th, 2009

Esses dias trabalhando com Python comecei a me perguntar se seria possível fazer no Django alguma coisa parecida com os finders dinâmicos do Rails.

A maioria das pessoas que lêem esse blog devem saber do que se trata mas em todo caso funciona assim: se uma classe Person do model do Rails tem uma propriedade “name” e outra propriedade “country”, você ganha automaticamente uma série de métodos dinâmicos para buscas por objetos dessa classe:

Person.find_by_name("Guilherme")
Person.find_by_country("BR")
Person.find_by_name_and_country("Guilherme", "BR")
# e outros...

Tudo isso é possível graças à funcionalidade de method missing do Ruby. Quando um método que não existe é invocado em uma classe, uma exceção do tipo NoMethodError é lançada. Alternativamente você pode implementar na sua classe o método method_missing, que é automaticamente invocado quando são invocados métodos que não existem.

class Exemplo
  def method_missing(metodo, *args)
    puts "Chamou '#{metodo}' com os params. '#{args}'"
  end
end
Exemplo.new.um_metodo_qualquer("teste")
 
# retorna: 
# "Chamou 'um_metodo_qualquer' com os params. 'teste'"

Usando essa funcionalidade foi possível fazer o tratamento dessas chamadas find_by_* traduzindo para chamadas comuns ao método find(…) com parâmetros.

Na minha pesquisa para ver se isso era possível em Python, acabei criando o projeto django-supermodels (créditos ao Ramalho pelo nome infame), que é uma extensão dos models do Django para prover essa funcionalidade.

Para minha surpresa foi trivial implementar exatamente a mesma coisa em Python usando o método __getattr__, que também é invocado caso um método/atributo não exista:

class Exemplo(object):
  def __getattr__(self, metodo):
    def method_missing(*args):
      print "Chamou '%s' com os params. '%s'" % (metodo, args)
    return method_missing
Exemplo().um_metodo_qualquer("teste")
 
# retorna:
# "Chamou 'um_metodo_qualquer' com os params. '('teste',)'"

Foi um pouco mais difícil fazer isso funcionar dentro do Django, porque a classe django.db.models.Model é construída de uma forma muito estranha que dificulta demais que a minha classe simplesmente herde da classe do Django. No fim das contas acabei criando os finders dinâmicos no manager, que é o objeto que dá acesso às buscas de objetos no banco de dados. Ficou assim:

Person.objects.find_by_name('Guilherme Chapiewski') 
Person.objects.find_by_id(2)
Person.objects.find_by_name_and_id('Guilherme Chapiewski', 2)
Person.objects.find_by_id_and_name(2, 'Guilherme Chapiewski')
 
Person.objects.find_by_nonexistingfield('something')
# Cannot resolve keyword 'nonexistingfield' into field.
# Choices are: age, birth_date, country, id, name

Estou trabalhando para não precisar usar o “.objects” assim como é no Rails, mas isso está dando um pouco mais de trabalho porque envolve entender melhor a forma que o model é criado dentro do Django. Depois disso vou trabalhar também em algumas opções mais poderosas de finders para poder justificar de verdade seu uso.

Antes que alguém fale, não estou tentando transformar o Django em Rails, estou apenas criando um extensão do model que eu acho bem legal e útil, e que você pode usar ou não. :)

O código fonte está disponível no meu Github. Já é possível usar esse plugin no seu projeto Django bastando apenas instalar o egg do projeto. Para isso, baixe o código fonte e execute “sudo python setup.py install”. Para saber como usar, veja a aplicação Django “example” que está incluída no código fonte.

Como esse projeto nasceu de um código de estudo está um pouco desorganizado, mas pretendo resolver isso em breve.

Sugestões são bem-vindas!

Apresentando: simple-db-migrate

Monday, February 16th, 2009

Desde o fim do ano passado tenho me divertido um bocado desenvolvendo em Python e Django.

Apesar de ter alguns detalhes esquisitos (especialmente na implementação de OO), Python é uma linguagem sensacional e muito produtiva! O Django também é ótimo e não deixa nada a desejar para o Rails, porém, as comparações são inevitáveis. Uma das coisas que mais senti falta desenvolvendo com Python/Django foram as migrations do Rails. Na verdade, pra quem está acostumado as migrations também fazem falta em Java, PHP e basicamente em qualquer projeto que os bancos de dados são constantemente modificados e complicados demais para serem gerenciados manualmente, independente da linguagem.

Foi por isso que decidi começar o projeto simple-db-migrate. Inicialmente o objetivo era criar algo parecido com as migrations do Rails para o Django, mas agora o objetivo é (além disso) criar migrations para o que quer que seja.

Para isso ser possível as migrations usam DDL ao invés de uma DSL em Python:

Arquivo: 20090215224601_criar_tabela_pessoas.migration

SQL_UP = """
create table pessoas (
    id int(11) not null auto_increment,
    ... etc. ...
);
"""
SQL_DOWN = """
drop table pessoas;
"""

Na verdade, como as migrations são nada mais do que duas Strings Python (SQL_UP e SQL_DOWN), é possível executar qualquer código Python nas migrations que gerem SQL. No futuro isso irá me ajudar a implementar alguma coisa que use os models do Django para criar a DDL automaticamente.

O fato das migrations serem em DDL faz com que eu possa escrever migrations para qualquer tipo de projeto, independente da linguagem e mesmo que no futuro as migrations também possam ser feitas usando uma DSL Python.

Para ver o simple-db-migrate funcionando, depois de instalá-lo (instruções no site), basta ir para o diretório onde estão as migrations e executar:

db-migrate

Se você não quer ter o trabalho de escrever as suas migrations, no diretório “example” tem uma porção delas prontas. Além das migrations é necessário criar um arquivo “simple-db-migrate.conf” com as configurações do banco de dados:

HOST = "localhost"
USERNAME = "root"
PASSWORD = ""
DATABASE = "migration_example"

O arquivo pode ter outros nomes e não necessariamente você precisa estar no diretório das migrations, basta passar essas configurações para o db-migrate pela linha de comando:

db-migrate --dir=migrations_dir --config=path/to/file.conf

Ou output é algo assim:

$ db-migrate --dir=example --config=example/sdbm.conf
 
Starting DB migration...
- Current version is: 20090211120000
- Destination version is: 20090212120000
 
Starting migration up!
 
===== executing 20090211120001_add_user_age.migration (up) =====
===== executing 20090211120002_add_user_mother_age.migration (up) =====
===== executing 20090211120003_create_table_chimps.migration (up) =====
===== executing 20090212120000_create_table_aleatory.migration (up) =====
 
Done.

E por último, já que eu ainda não tenho muita documentação disponível ainda, para ver todas as opções possíveis da linha de comando basta digitar:

db-migrate --help

O simple-db-migrate ainda está em fase embrionária (na verdade comecei na semana passada), mas já está entrando em uso essa semana em dois projetos na Globo.com, ou seja, possivelmente ele vai evoluir bem rápido. Apesar de ainda ser bem simples, tudo que eu mostrei aqui já funciona.

Agora há pouco criei uma versão inicial da página do projeto no Github pages com algumas instruções para instalação e uso (bem simples mesmo, ainda pretendo melhorar bastante). O código fonte está disponível no meu Github e os tickets podem ser acompanhados no Lighthouse.