Posts Tagged ‘PatientKeeper’

[Agile 2008 Conference] From High-performing to Hyper-performing Agile teams

Saturday, August 23rd, 2008

Voltei depois de quase duas semanas para fazer meu último comentário sobre a Agile 2008 Conference (antes tarde do que nunca!). Esses dias foram um pouco agitados e acabei não conseguindo escrever antes…

O painel de discussões entitulado From High-performing to Hyper-performing Agile teams com a participacao de Jeff Sutherland, Rob Mee e Jason Titus foi ótimo para mim. Eu não esperava ouvir certas coisas que ouví, mas foi ótimo para pensar e abrir mais ainda a cabeça.

Foram quase duas horas de discussão sobre vários assuntos, até o famoso mito do “Rails não escala” entrou em pauta. Mas o que eu quero falar é de uma boa parte da discussão que foi relacionada à PatientKeeper, empresa na qual o Jeff é CTO e na qual concebeu o Scrum para desenvolver vários sistemas na área da medicina que fazem desde o controle do histórico de pacientes e armazenamento digital de exames até soluções para ajudar a organizar enfermarias, departamentos administrativos e o que mais você imaginar que um hospital tem. A PatientKeeper é inclusive citada no livro do Ken Schwaber e reconhecida como o início da existência do Scrum.

A primeira coisa que me surpreendeu é saber que 80% dos testes desses sistemas não são automatizados. Por incrível que pareça, a justificativa do Jeff é muito razoável: todos os sistemas da PatientKeeper são feitos para funcionar numa variedade enorme de dispositivos, desde Palms até iPhones e computadores convencionais. Basicamente o sistema tem que funcionar onde os médicos se sentirem mais confortáveis para usar. Ele argumentou que é muito difícil automatizar testes de interface em todos esses dispositivos, e por isso eles têm uma equipe de testes responsável por fazer este trabalho.

Antes de tudo, não, eu não acho isso ideal, inclusive eu sou um grande adepto dos testes de aceitação automatizados. Mas no caso deles não é possível automatizar os testes, então, bola para frente oras!

Recentemente no meu time na Globo.com passamos por algo parecido quando acabamos optando por não fazer testes de uma aplicação da forma que achavamos ideal. Como já diz o ditado, o ótimo é inimigo do bom. O que nós precisavamos era de uma solução suficientemente boa e que fosse implementável. A solução ideal demoraria muito para ser implementada e daria um trabalho enorme para ser mantida. Já a solução que demos, apesar de não ser perfeita, já está pronta e começando a render seus frutos.

Resumindo isso tudo, temos que tomar cuidado para não sermos utópicos – algumas vezes temos que ser pragmáticos e fazer o que resolve o problema.

A segunda coisa é que me surpreendeu é que, para cada grande funcionalidade que eles fazem, é feito antes do desenvolvimento todo o design e um protótipo do sistema para aprovação de todos os usuários (os médicos) e só depois de aprovado o protótipo o sistema é desenvolvido.

Mais uma vez, eu não acho ideal. Definidas as necessidades do projeto e sabendo onde se quer chegar com o produto, o melhor é que o time inteiro trabalhe junto, história por história, criando pequenos incrementos de software até que tudo esteja pronto. Inclusive eu cheguei a perguntar se ele não estaria fazendo uma espécie de “Scrum waterfall”, e ele nem pensou para responder categoricamente que não. Em primeiro, esse esquema não é feito para qualquer coisa, mas sim para as grandes funcionalidades e mudanças ou para sistemas novos. E em segundo, ele disse que alguns médicos são extremamente resistentes para usar o software no início, e se eles suspeitarem que há qualquer problema no projeto do software ou que “aquele botãozinho está difícil de enxergar”, eles simplesmente destroem o produto e perdem a vontade de usar. Considerando tudo isso e ainda que as mesmas coisas têm que funcionar numa dezena de dispositivos diferentes, deve ser realmente um desafio e tanto projetar essas interfaces para terem uma boa experiência de uso. Por isso tudo o design das telas é crítico para eles, e para ajudar a lidar com essa questão o processo de trabalho foi adaptado para ter esse “pré-projeto” dos sistemas.

A mensagem que devemos tirar dessas experiências é que não dá para ficar preso a uma metodologia! As metodologias servem para ajudar e não para te impedir de atender aos seus clientes e entregar software da maneira que é mais adequada para eles. Indivíduos e interações são mais importantes que processos ou ferramentas, e é entender isso plenamente que te faz ser verdadeiramente ágil. Os processos ágeis como o Scrum são adaptativos, e é sim recomendável que você siga eles à risca no início mas nada te impede de fazer ajustes ao longo do caminho – desde que você não quebre os pilares básicos como o desenvolvimento iterativo e incremental e as práticas/reuniões/papéis no caso do Scrum.

Pense fora da caixa!