Posts Tagged ‘Open Source’

[Dev in Rio 2009] Balanço do evento

Saturday, September 26th, 2009

Ufa… Depois de uma semana de correria para o fechamento do Dev in Rio finalmente estou conseguindo escrever um post!

Mesmo tendo sido idealizado, planejado e executado em pouco mais de 20 dias, o Dev in Rio 2009 foi excelente, um sucesso total! Conseguimos reunir em plena segunda-feira cerca de 400 pessoas para falar de desenvolvimento de software, se divertirem no Dojo e terem um dia de muita diversão que terminou no maior #Horaextra de todos os tempos.

O Dev in Rio 2009 começou na hora programada quando eu e meu amigo Henrique Bastos abrimos o evento. Rapidamente falamos sobre o evento e sobre como seria o nosso dia. Tratamos de como achamos importante a interação entre comunidades e aprender com pessoas especializadas em tecnologias diversas. Aproveitamos também para agradecer muito aos nossos patrocinadores, apoiadores, comunidades e amigos que nos ajudaram muito mais do que vocês possam imaginar.

Dev in Rio 2009 - Abertura
* Henrique Bastos e eu na abertura do Dev in Rio.

Abrindo os trabalhos, disparamos as duas trilhas do Dev in Rio 2009. No auditório principal, aconteceriam as palestras programadas, enquanto no foyer seria realizado o Coding Dojo.

O Coding Dojo é uma arena de programação organizada pela turma do Dojo Rio em conjunto com o Dojo@SP. A idéia é atacar problemas simples e lúdicos, utilizando técnicas de programação como Test-Driven Development e Modelagem SOLID. Este definitivamente foi o gol de placa do dia – o Dojo funcionou muito melhor do que nós poderiamos imaginar (exceto o Dojo de Java que não foi lá muito popular, tenho que admitir).

Dev in Rio 2009 - Coding Dojo
* Coding Dojo do Dev in Rio: 3 metros de código na parede!

Dev in Rio 2009 - Coding Dojo
* Galera participando do Coding Dojo do Dev in Rio.

A primeira palestra foi a do Ryan Ozymek, que entrou em cena com seu famoso pinguim para falar de sua experiência com software livre e a comunidade Joomla! Ele detalhou o funcionamento de uma grande comunidade de desenvolvimento e deu sua visão de empresário sobre como usar software livre para alavancar os negócios da sua empresa.

Logo depois, Guilherme Silveira e Nico Steppat trataram de um tema bastante polêmico: Java está morto? Abordaram os fatos de que existem muitas coisas além da linguagem no mundo Java e que apesar da linguagem estar “caducando” a JVM ainda pode ser muito útil.

Depois do almoço, Fabio Akita não deu trégua para quem estava com sono e fez uma excelente apresentação sobre o ecossistema Ruby on Rails com direito a videos, screencast e bastante informação além do código. Ele não sabe mas tirou o fôlego das meninas da tradução simultânea!

Na sequência, o (praticamente carioca) Jacob Kaplan-Moss fez sua apresentação sobre Django, o framework web para perfeccionistas desenvolvido em Python. Ele falou dos conceitos e valores que guiaram o desenvolvimento do projeto, além de mostrar um pouco de código para dar uma idéia ao público de como usar o Django na prática.

A última palestra do dia foi feita por Jeff Patton, que falou sobre desenvolvimento de produtos com métodos ágeis. Utilizando como narrativa a história de um projeto realizado em conjunto com Obie Fernandez, diversos problemas comuns no desenvolvimento de software (e suas soluções) foram destacados.

No final, nosso grande amigo Vinicius Manhães Teles liderou um bate-papo entre palestrantes, comunidades e o público. Tivemos a impressão de que se não controlassemos o relógio a conversa teria varado a noite, pois não faltavam assuntos e perguntas interessantes. O público participou bastante e foram levantadas questões como empreendedorismo e polêmicas como a estúpida regulamentação da profissão de analista de sistemas.

Dev in Rio 2009 - Discussão
* Discussão liderada por Vinicius Teles. E antes que alguém pergunte, não, não é o cara do Myth Busters que está na foto, é o Jeff Patton.

Enquanto isso tudo rolava, eu, Henrique e o Gustavo Guanabara e a Flavia Freire (jornalista da Arteccom) passamos o dia gravando um gigantesco Podcast do evento, entrevistando o pessoal e filmando os bastidores. Falamos com palestrantes, patrocinadores e participantes sobre todos os assuntos abordados nas palestras! Guanabara, termina logo de editar esse treco porque eu tô ansioso pra ouvir! :) Veja o “making of” de alguns dos Podcasts com o Ryan Ozimek, com Guilherme e Paulo Silveira e com Fabio Akita e Marcos Tapajós. Assim que finalizarmos as edições vamos divulgar todo esse material.

Dev in Rio 2009 - Gravação do Podcast
* Guanabara gravando Podcast com Fabio Akita e Marcos Tapajós (e datalhe: ao fundo Guilherme Silveira e Paulo Silveira fazem Pair Programming).

Como o evento foi realizado numa segunda-feira, fechamos o evento convidando todos os participantes (ao som de “Estamos todos bêbados” do Matanza e com coreografia de Sylvestre Mergulhão e Henrique Andrade) para uma edição épica do #Horaextra no Lapa 40º. A entrada era gratuita para quem apresentasse o crachá do Dev in Rio 2009 e assim realizamos o maior #Horaextra de todos os tempos:


* Veja mais videos do Dev in Rio 2009.

Tenho certeza de que esse post não consegue transmitir 0,001% do que foi o Dev in Rio 2009 e a minha felicidade de ter conseguido realizá-lo. Gostaria de agradecer mais uma vez o apoio fundamental de toda a galera da Globo.com que viabilizou o evento, dos nossos patrocinadores Caelum, Locaweb e D-Click e de todos que nos apoiaram de alguma forma: Associação PythonBrasil, Fábrica Livre, Myfreecomm, OpenSourceMatters, Arteccom, DojoRio, Dojo@SP, #Horaextra, PythOnRio, RioJUG, RubyInside Brasil, Guanabara.info e todas as pessoas que participaram do Dev in Rio 2009. Sem vocês nada disso teria sido possivel.

Dev in Rio 2009 - Galera no final
* Participantes da mesa redonda do Dev in Rio.

Se você não foi no Dev in Rio, tenho duas coisas para te dizer: (1) você perdeu uma farra das melhores mas (2) em breve vamos disponibilizar os vídeos das apresentações para amenizar sua dor. :)

E que venha 2010!

Colaboração e Open Source dentro da empresa

Thursday, September 24th, 2009

O Github sem sombra de dúvidas mudou a forma como funciona a colaboração em projetos Open Souce. Já existiam alguns websites de colaboração nesse sentido (e até bem conhecidos) como o SourceForge, Google Code, Savannah e vários outros. Todos eles tem várias qualidades mas o Github na minha opinião foi o que conseguiu ser o mais bem sucedido: eles uniram uma interface bem agradável a uma rede social de programadores e o sistema de controle de versão Git.

Colaborar com outros projetos é bem fácil no Github, basta fazer um fork do projeto que eu pretendo colaborar, fazer minhas modificações e depois um “pull request” para o dono do projeto avaliar e integrar (ou não) o meu código ao dele. Antes do Github não funcionava muito diferente disso mas o que ele fez de bom foi facilitar esse fluxo e criar uma rede social bem interessante em torno desse mundo.

Isso é bem diferente de como as empresas normalmente funcionam. No caso da Globo.com, por exemplo, todos os repositórios sempre estiveram amontoados nos servidores CVS e Subversion e consequentemente “escondidos” (pouco visíveis) de possíveis colaboradores. Alguns até tinham permissão de commit restrita para um pequeno grupo e o processo de colaboração era ainda mais difícil. Não dá nem para abrir um branch seu, você tem que fazer as modificações localmente e mandar um patch por e-mail, e o merge geralmente não é muito fácil de fazer quando você tem um grande fluxos de merge para lá e para cá. Imagina então quando você trabalha na versão “v1″ do código e enquanto você produz a “v2″ um outro desenvolvedor pede merge antes de você? Era preciso esperar o merge terminar para dar checkout da versão nova e ficar mais uma vez fazendo o inferno do merge.

No início desse ano resolvemos experimentar usar o Gitorious, que é uma ferramenta similar ao Github porém Open Source e que você pode instalar num servidor da sua empresa. Isso tinha 2 objetivos: (1) criar uma cultura de “enterprise” Open Source e (2) facilitar a colaboração em projetos em que vários times trabalham e commitam ao mesmo tempo.

No início foi um inferno e houve uma rejeição muito grande de muita gente. O modelo de trabalho com o Git é bem diferente do que com CVS e Subversion. Você tem branches (e clones – que é um conceito um pouco diferente) que podem ser locais ou remotos, commits locais que não vão direto para o servidor e pulls/pushes. As pessoas tendem a fazer relações do tipo “o push é o que manda as coisas para o servidor, então ele equivale ao commit”. Mas então o que é o commit do Git? Enfim, não dá pra trabalhar pensando assim, é preciso dar um reset e entender a arquitetura desses sistemas de controle de versão distribuídos para entender que faz sentido sim ter um commit e só depois do push que o código está no repositório (no remoto, porque no local já estava). :)

Também foi difícil aprender a trabalhar com merges. No modelo antigo você evita fazer merges o máximo possível porque o trabalho para fazer isso é enorme. Geralmente você só faz quando acabou de fazer tudo para ter trabalho uma vez só. Ainda bem que existem ferramentas para ajudar (como as ferramentas das próprias IDEs) senão seria complicado. Se você trabalha da mesma forma com o Git geralmente vai se dar mal, porque não existem (não existiam mas estão começando a melhorar) as mesmas ferramentas de merge visual do CVS ou Subversion, e era um parto para fazer a coisa toda funcionar após fazer um merge de uma semana de fork. Com o Git funciona ao contrário: como o merge é automático (na maioria dos casos ele consegue se virar) então a estratégia é fazer merge toda hora, várias vezes por dia, o máximo que der.

Depois de alguns meses de “fricção” hoje já dá para ver um monte de frutos começando a aparecer. Por exemplo, no último sprint do meu time nós precisavamos usar um cliente Python para acessar a engine de busca da Globo.com. Como esse cliente era novo tinha uma série de problemas pequenos que precisavam ser resolvidos, mas o time que é responsável pelo projeto estava com vários compromissos e demoraria 2 semanas para trabalhar nisso. Então o Bernardo e o Andrews decidiram fazer um clone no Gitorious para contribuir com o projeto do time de busca, e eles não só resolveram os problemas como devolveram o código refatorado e com a cobertura de testes bem melhor. O outro time rapidamente integrou o novo código ao projeto e gostou tanto do trabalho deles que eles viraram commiters e agora podem fazer as modificações que forem necessárias em colaboração com o time de busca. Exatamente como funciona no mundo Open Source.

Além desse exemplo, no projeto que estou trabalhando (que é um framework para sites de publicação de conteúdo) temos vários times trabalhando no mesmo código ao mesmo tempo. Nesse momento tem cerca de 10 clones do projeto no nosso Gitorious e talvez cerca de 10 times trabalhando usando o mesmo código para fazer seus “add-ons”. O Git facilita o trabalho dos times para atualizarem constantemente sua base de código com o que entra de novo no branch master do mainline (o repositório principal do projeto) e o Gitorious torna isso tudo mais visível para todos.

Enfim, as vantages que nós passamos a ter com o Git e Gitorious são várias:

  • Todo mundo pode ver facilmente os projetos que existem e quando novos projetos são criados;
  • Todo mundo pode ver o que todo mundo está fazendo e em que estão trabalhando;
  • Todo mundo pode facilmente criar e gerenciar seus projetos (sem precisar do Sys Admin);
  • É bem facil de navegar nos projetos, ver e pegar código dos outros;
  • Todo mundo pode criar seus clones de repositórios para trabalhar em cima do seu código e do código dos outros;
  • Todo mundo pode colaborar de volta sem precisar de um processo complicado para isso;
  • É mais fácil de fazer merges constantes e gerenciar múltiplas colaboracoes simultâneas;
  • Fora as outras features interessantes que o Git tem e os sistemas de SCM antigos não como o stash, clones, merge automático e por aí vai.

Só para dizer um ponto negativo, a documentação de usuários do Git não é das melhores (mas tem melhorado bastante) e alguns comandos não são tão intuitivos (como deletar um branch remoto), mas nada que você não descubra e que não se acostume com o tempo.

Aconselho fortemente a todo mundo que puder que faça isso. Instale o Gitorious e fomente a colaboração entre os desenvolvedores da sua empresa! Se você estiver com muita grana também pode dar uma olhada no Github Firewall Install, que deve ser bem legal mas também é bem caro.

Dev in Rio 2009: eu vou!

Thursday, August 20th, 2009

É com muito orgulho que apresentamos o Dev in Rio 2009, uma conferência inédita sobre desenvolvimento de software que acontecerá no próximo dia 14 de setembro no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro!

O evento está sendo organizado por mim (Guilherme Chapiewski) em parceria com o meu amigo Henrique Bastos e a realização está sendo coordenada pelas nossas experientes amigas da Arteccom (e tê-las ao nosso lado já garante que este será um evento para marcar o circuito carioca).

Nossa programação conta com três palestrantes nacionais e três internacionais falando sobre Open Source, Java, Ruby on Rails, Django e desenvolvimento ágil de software:

“O molho secreto”: como as comunidades do Joomla! e Open Source estão melhorando o cenário de tecnologia… e mudando o mundo!

Ryan OzimekRyan Ozimek é atual membro do Steering Committee da Open Source Initiative, membro da diretoria da Open Source Matters e co-fundador e CEO da PICnet Inc. Com enfoque em tecnologias open source, Ozimek está constantemente a procura de formas em que a Internet possa servir melhor o “bem maior” e, mais especificamente, as entidades sem fins lucrativos.

O Java está morto?

Guilherme SilveiraGuilherme Silveira é especialista em Java para a web e graduando em matemática computacional na USP, ministrou diversas palestras relacionadas ao tema em eventos e empresas pelo Brasil. Atualmente é commiter do CodeHaus pelos projetos XStream e Waffle, além de um dos responsáveis pelo desenvolvimento do VRaptor.

Nico SteppatNico Steppat é Engenheiro da Computação Aplicada na Fachhochschule Brandenburg na Alemanha, é instrutor, consultor e desenvolve há cinco anos com Java no Brasil e Alemanha, atuando agora na Caelum com enfoque especial em EJB. É o responsável técnico no Rio de janeiro. Escreve para a revista MundoJava e possui as certificações SCJP, SCWCD, SCBCD e SCEA.

Ecossistema Ruby on Rails

Fabio AkitaFabio Akita é Gerente de Produtos de Hospedagem na Locaweb e ajudou a implantar Ruby on Rails pela primeira vez num grande hosting no Brazil. Ano passado também organizou o Rails Summit Latin America, o primeiro grande evento de Rails na América do Sul. Trabalhou na consultoria americana Surgeworks LLC, prestando serviços relacionados a projetos Ruby on Rails, com o cargo de Brazil Rails Practice Manager.

Django: o framework web para perfeccionistas com prazos

Jacob Kaplan-MossJacob Kaplan-Moss é um dos líderes de desenvolvimento e co-criador do Django. Jacob é um desenvolvedor de software experiente com foco em desenvolvimento de aplicações web e arquitetura de gerenciadores de conteúdo. Em 2005, Jacob ingressou no Lawrence Journal-World, um jornal local em Lawrence, Kansas, e ajudou a desenvolver e tornar open source o projeto Django. É também co-autor do livro “The Definitive Guide to Django” (Apress, 2007).

Desenvolvimento ágil e iterativo de produtos

Jeff PattonJeff Patton cria e desenvolve software nos últimos 15 anos desde sistemas de pedidos de peças de aeronaves até fichas médicas eletrônicas. Jeff se focou em metodologias ágeis desde que trabalhou com um time de Extreme Programming em 2000. Em particular, Jeff se especializou na aplicação de práticas de user experience design (UX) para melhorar requisitos ágeis, planejamentos e produtos. Desde 2007, Jeff tem aplicado Lean thinking e práticas de desenvolvimento com Kanban e Scrum para ajudar times a focarem na entrega de valor.

Vinicius TelesPara fechar com chave de ouro, no encerramento do evento faremos um bate-papo com os palestrantes, alguns membros das comunidades de desenvolvimento e a participação especial do meu amigo Vinicius Teles!

Como se isso tudo já não fosse suficiente, enquanto todas essas apresentações estão acontecendo teremos sessões de Coding Dojo rolando do lado de fora com participação especial dos nossos palestrantes (caso eles consigam ficar por lá)! Estamos planejando fazer um Dojo de Python, um de Ruby e um de Java!

Será simplesmente incrível, ninguém pode ficar de fora dessa!

As inscrições podem ser feitas no site do evento (http://www.devinrio.com.br) e custam apenas R$ 65,00. Todos os inscritos terão direito a participar de todas as sessões, incluindo o Dojo.

Nosso encontro será numa segunda-feira, ou seja, se você não for do Rio de Janeiro já tem uma ótima desculpa para passar o fim de semana aqui, assistir uma ótima conferência na segunda-feira e voltar para o trabalho cheio de idéias na terça!!! Ainda estamos tentando fechar uma parceria com algum hotel para oferecer desconto para participantes do evento. Fiquem ligados nas novidades por aqui ou pelo Twitter!

Gostaria de deixar registrados meus sinceros agradecimentos para os nossos patrocinadores Locaweb e Caelum, além de outras organizações que nos apoiaram de alguma forma: Associação Python Brasil, Fábrica Livre, Open Source Matters e Myfreecomm. E por último, meu mais sincero agradecimento para a Globo.com pois ela é a principal responsável por viabilizar essa idéia! Obrigado por mais uma vez acreditarem nesse louco aqui tarado por desenvolvimento de software! Não tenho palavras pra dizer o quanto é gratificante fazer parte dessa equipe!

Então nos vemos no Dev in Rio 2009! Faça agora sua inscrição no nosso site! Fique ligado também no Twitter do @devinrio para concorrer a inscrições gratuitas!

Ah, e uma última coisa. Por favor, nos ajudem a divulgar o evento! Falem com seus amigos, postem nos seus blogs, Twitters, coloquem nossos banners nos sites de vocês, enfim, por favor nos ajudem a divulgar esse evento! Vamos fazer barulho no Rio de Janeiro!

FISL 10, aí vou eu!

Tuesday, June 23rd, 2009

Ufa! Ultimamente tem sido uma correria imensa por causa do projeto que estou participando (novidades sobre isso em breve) e de alguns eventos como o EDTED Curitiba e o CMS Brasil 2009. Aliás, se você estiver procurando material sobre as minhas palestras você pode encontrar no post do EDTED Florianópolis (que foi a mesma).

Estou partindo am alguns minutos para Porto Alegre para participar do 10o. Fórum Internacional de Software Livre! O FISL é o maior e um dos melhores eventos da comunidade de software brasileira e eu não ia ficar de fora dessa por nada.

Amanhã farei duas apresentações, uma sobre o que fazemos relacionado a software livre na Globo.com e outra sobre metodologias ágeis. Na sexta-feira tem outra apresentação que estou preparando com o Bernardo Heynemann e o Gabriel Falcão sobre o Pyccuracy, que é um projeto muito legal no qual temos trabalhado ultimamente. Além disso o evento contará com a participação de vários integrantes da Globo.com falando de diversos assuntos, tanto nas palestras como no nosso stand. Veja a programação do FISL aqui e apareça no nosso stand para saber das “apresentações relâmpago” que faremos por lá.

Apresentando: simple-db-migrate

Monday, February 16th, 2009

Desde o fim do ano passado tenho me divertido um bocado desenvolvendo em Python e Django.

Apesar de ter alguns detalhes esquisitos (especialmente na implementação de OO), Python é uma linguagem sensacional e muito produtiva! O Django também é ótimo e não deixa nada a desejar para o Rails, porém, as comparações são inevitáveis. Uma das coisas que mais senti falta desenvolvendo com Python/Django foram as migrations do Rails. Na verdade, pra quem está acostumado as migrations também fazem falta em Java, PHP e basicamente em qualquer projeto que os bancos de dados são constantemente modificados e complicados demais para serem gerenciados manualmente, independente da linguagem.

Foi por isso que decidi começar o projeto simple-db-migrate. Inicialmente o objetivo era criar algo parecido com as migrations do Rails para o Django, mas agora o objetivo é (além disso) criar migrations para o que quer que seja.

Para isso ser possível as migrations usam DDL ao invés de uma DSL em Python:

Arquivo: 20090215224601_criar_tabela_pessoas.migration

SQL_UP = """
create table pessoas (
    id int(11) not null auto_increment,
    ... etc. ...
);
"""
SQL_DOWN = """
drop table pessoas;
"""

Na verdade, como as migrations são nada mais do que duas Strings Python (SQL_UP e SQL_DOWN), é possível executar qualquer código Python nas migrations que gerem SQL. No futuro isso irá me ajudar a implementar alguma coisa que use os models do Django para criar a DDL automaticamente.

O fato das migrations serem em DDL faz com que eu possa escrever migrations para qualquer tipo de projeto, independente da linguagem e mesmo que no futuro as migrations também possam ser feitas usando uma DSL Python.

Para ver o simple-db-migrate funcionando, depois de instalá-lo (instruções no site), basta ir para o diretório onde estão as migrations e executar:

db-migrate

Se você não quer ter o trabalho de escrever as suas migrations, no diretório “example” tem uma porção delas prontas. Além das migrations é necessário criar um arquivo “simple-db-migrate.conf” com as configurações do banco de dados:

HOST = "localhost"
USERNAME = "root"
PASSWORD = ""
DATABASE = "migration_example"

O arquivo pode ter outros nomes e não necessariamente você precisa estar no diretório das migrations, basta passar essas configurações para o db-migrate pela linha de comando:

db-migrate --dir=migrations_dir --config=path/to/file.conf

Ou output é algo assim:

$ db-migrate --dir=example --config=example/sdbm.conf
 
Starting DB migration...
- Current version is: 20090211120000
- Destination version is: 20090212120000
 
Starting migration up!
 
===== executing 20090211120001_add_user_age.migration (up) =====
===== executing 20090211120002_add_user_mother_age.migration (up) =====
===== executing 20090211120003_create_table_chimps.migration (up) =====
===== executing 20090212120000_create_table_aleatory.migration (up) =====
 
Done.

E por último, já que eu ainda não tenho muita documentação disponível ainda, para ver todas as opções possíveis da linha de comando basta digitar:

db-migrate --help

O simple-db-migrate ainda está em fase embrionária (na verdade comecei na semana passada), mas já está entrando em uso essa semana em dois projetos na Globo.com, ou seja, possivelmente ele vai evoluir bem rápido. Apesar de ainda ser bem simples, tudo que eu mostrei aqui já funciona.

Agora há pouco criei uma versão inicial da página do projeto no Github pages com algumas instruções para instalação e uso (bem simples mesmo, ainda pretendo melhorar bastante). O código fonte está disponível no meu Github e os tickets podem ser acompanhados no Lighthouse.

FISL 9.0, aí vou eu!

Friday, April 4th, 2008

No próximo dia 17 estarei no 9o. Fórum Internacional de Software Livre, um dos maiores eventos nacionais de tecnologia!

Nesse ano a Globo.com será uma das empresas patrocinadoras do evento, e eu estarei lá no nosso stand para conversarmos sobre o que temos e o que fazemos aqui. Muita gente não faz idéia do que tem por trás de um dos maiores portais da Internet brasileira, e garanto que se surpreenderão quando souberem como uma empresa tão tradicional e com tecnologia de ponta pode basear a grande maioria dos seus produtos em software livre.

Apareça lá para batermos um papo! :)

Don’t hurt the web!

Friday, September 7th, 2007

Don’t hurt the web A coisa mais chata da mundo é quando você desenvolve um site e precisa fazer 258,4 gambiarras pra ele funcionar em todos os browsers.

Um exemplo clássico é o Internet Explorer, que não utiliza o XmlHttpRequest padrão. Se você for programar alguma coisa com AJAX perceberá que o XmlHttpRequest que funciona no IE é de um jeito e para quase todos os outros browsers é outro! Justamente por isso você acaba tendo que usar uma biblioteca como a prototype.js, que facilita uma implementação multibrowser.

Outro exemplo é quando você desenvolve um plugin OpenSearch (a caixinha de busca do browser). Se você precisar fazer qualquer coisa além do feijão com arroz terá problemas porque o Internet Explorer segue o padrão quase à risca enquanto o Firefox tem um monte de tags adicionais fora do padrão! Isso torna extremamente difícil fazer um plugin que funcione nos dois ao mesmo tempo.

Por isso o Mozilla Developer Center apoia a utilização de normas para desenvolvimento web:

Normas Web são cuidadosamente projetadas para entregar os maiores benefícios para o maior número de usuários da web enquanto assegurar a viabilidade a longo prazo de qualquer documento publicado na Web. Projetar e construir com estas normas simplifica e baixa o custo de produção, entregando sites que são acessíveis à mais pessoas e mais tipos de distribuições de navegadores. Sites desenvolvidos ao longo destas linhas continuarão a funcionar corretamente enquanto os navegadores de desktops tradicionais evoluem, e com novos dispositivos da Internet chegando ao mercado.

Promova o Mozilla Developer Center e a utilização de Normas Web, assim podemos fazer nosso trabalho mais rápido e de forma mais eficiente!

6 meses 100% Unix

Monday, August 20th, 2007

Nesta última semana (no dia 15/08) completei 6 meses de migração total da minha estação de trabalho para o Ubuntu Linux!

Tenho contato com Linux há alguns anos, desde o início do ano de 2000 para ser mais exato. Nesta época eu trabalhava numa empresa que tinha vários servidores RedHat Linux, que era a distribuição mais popular na época, além de umas máquinas Solaris. Aprendí a usar Linux facilitado pelo contato diário com todos esses servidores porém na minha cabeça aquilo alí nunca seria adequado para ser usado em um desktop.

Só passei a levar o Linux como desktop mais a sério no ano de 2004 quando conhecí pessoalmente uma empresa que funcionava 100% com Debian e Kurumin (em absolutamente todos os servidores e desktops). Qualquer software que não fosse livre era totalmente desencorajado. Pela primeira vez eu estava vendo o Linux sendo usado para absolutamente tudo no dia a dia de uma empresa (que me parecia utópico) e comecei a acreditar que seria possível trabalhar bem e fazer tudo que se fazia no Windows utilizando somente software livre.

No fim de 2004 mesmo fiz uma tentativa frustrada de usar um desktop Linux (Mandrake). Como falei foi totalmente frustrada porque o meu hardware era muito novo e nem um pouco comum pois eu havia comprado todos os últimos lançamentos da época. Tive uma dificuldade enorme de achar drivers. A resolução do meu monitor ficou péssima e a placa de som não funcionava. Além disso o Open Office não abria direito planilhas feitas no Microsoft Office e vice e versa. Duas semanas depois quando ainda estava lutando para fazer minha placa de som funcionar acabei deletando sem querer o /etc! Para quem não sabe, isso significa que eu deletei todas as configurações do sistema e a máquina simplesmente nem ligava mais!

Foi quando eu decidí que ia comprar um iMac. O Mac OS X (sistema operacional da Apple) tem todo o poder do Unix aliado a uma interface incrível. Foi a melhor coisa que poderia ter feito. Ele é suficientemente fácil para que a minha esposa possa usá-lo e ao mesmo tempo extremamente poderoso para que eu possa desenvolver, instalar, compilar e tudo mais que eu preciso. É claro que por não ser o sistema operacional mais popular do mundo tive algumas dificuldades mas nem se compara ao inferno que eu vivia.

Só que no trabalho eu ainda usava o Windows e tinha que conviver diariamente com todas aquelas mazelas de vírus, spyware, telas azuis, travamentos, pop-ups mortais, alto consumo de memória, lentidão, etc. Durante muito tempo todo o meu kit de trabalho foi Windows e eu sempre pensava que nunca seria possível ter todas aquelas mesmas ferramentas em um Linux, o que sempre me levava a descartar qualquer tentativa de migração.

Depois de algum tempo e um pouco mais experto pela quantidade de problemas vividos e resolvidos, tomei coragem e novamente me forcei a trocar meu desktop principal para Linux, dessa vez para o Ubuntu (desktop principal = que eu uso mais = do trabalho). Me proibí de usar Windows e decidí que se eu tivesse um problema não importa qual fosse eu iria parar e resolvê-lo não importa quanto tempo levasse.

Confesso que foi complicado porque tive que fazer com que a minha (quase) solitária máquina Linux funcionasse perfeitamente e de forma transparente num ambiente totalmente Windows. Introduzir uma máquina de desenvolvimento Linux num ambiente com duzentas máquinas Windows não é tão fácil. Todas as convenções da empresa se baseiam em estações Windows e eu tive um certo trabalho para “portar” tudo isso. Nada muito complicado mas levou um tempo e deu um certo trabalho. Mesmo com todos os problemas fiquei impressionado como foi tudo muito mais fácil de configurar e instalar desde minha última vez. Não só no Ubuntu como no Fedora, que era minha segunda opção.

O mais legal disso tudo foi que, ao provar que é totalmente possível desenvolver em Java no nosso ambiente Vignette com Linux e software livre, acabamos gerando uma reação em cadeia dentro da empresa. Claro que eu não fiz nada sozinho, várias outras pessoas já usavam desktops Linux na empresa. Minhas contribuições foram apenas em mostrar que dava para fazer tudo que os desenvolvedores Java da empresa precisavam no Linux e em aliciar vários outros desenvolvedores Java a fazer parte do movimento. E o movimento cresceu tanto e ficou tão sério que a empresa já tem um projeto oficial para migrar todas as estações para Linux!