Posts Tagged ‘Desenvolvimento’

Mais 10 livros recomendados para desenvolvedores

Monday, March 3rd, 2014

Lá atrás em 2008 escrevi um post sobre 10 livros recomendados para desenvolvedores. Na época o post foi bastante popular e eu sempre pensei em escrever uma continuação, que acabei nunca fazendo.

Enfim, a hora chegou e aqui vai mais uma lista de outros 10 livros recomendados para desenvolvedores! Mas antes disso, alguns detalhes sobre como cheguei nessa lista:

Por que apenas 10 livros e não 20 ou 30? Não sei dizer – o primeiro post foi assim então vou continuar. :) O bom é que isso me deixa uma quantidade de livros mais do que suficiente para no futuro escrever vários posts!

Por que essa lista tem livros sobre “processos” como Kanban ou Lean? Não era para ser livros para desenvolvedores? Não tenho pretensão de escrever aqui uma lista definitiva e restrita a apenas um tópico, mas sim listar alguns livros que pessoalmente acho importantes para desenvolvedores de software e que me marcaram de alguma forma. Nosso trabalho não é só programar direito mas também saber se organizar (ou organizar um time) para que se entregue mais software, com mais qualidade e em tempo recorde, portanto acho esses tópicos super importantes.

Por que um livro sobre JavaScript e nenhum sobre Ruby, Python, Java ou qualquer outra? Tem alguma preferência de linguagens rolando aí? Não tem preferência não. O “Good Parts” é sensacional porquê me fez entender e respeitar JavaScript de um jeito completamente diferente. Não acredita? Leia o livro então! Acha que é perda de tempo? Eu acho que não, JavaScript hoje em dia é uma das linguagens mais populares e é indispensável conhecê-la bem para fazer desde um simples website como este blog até gigantes como Yahoo e Facebook.

Por que todos os livros são em inglês? 99% de toda a literatura relevante de tecnologia é em inglês e em muitos casos não há tradução disponível, portanto se você ainda não está craque, pule esta lista e vá urgentemente aprender inglês antes de mais nada! De todas as linguagens (de programação ou não) que você pode pensar em aprender, essa é provavelmente a mais importante.

Clean Code: A Handbook of Agile Software Craftsmanship Clean Code: A Handbook of Agile Software Craftsmanship
Robert C. Martin
Test Driven Development: By Example Test Driven Development: By Example
Kent Beck
Growing Object-Oriented Software, Guided by Tests Growing Object-Oriented Software, Guided by Tests
Steve Freeman e Nat Pryce
Code Complete: A Practical Handbook of Software Construction Code Complete: A Practical Handbook of Software Construction
Steve McConnell
Working Effectively with Legacy Code Working Effectively with Legacy Code
Michael Feathers
JavaScript: The Good Parts JavaScript: The Good Parts
Douglas Crockford
Kanban: Successful Evolutionary Change for Your Technology Business Kanban: Successful Evolutionary Change for Your Technology Business
David J. Anderson
Lean Software Development: An Agile Toolkit Lean Software Development: An Agile Toolkit
Mary Poppendieck e Tom Poppendieck
The Lean Startup: How Today The Lean Startup: How Today’s Entrepreneurs Use Continuous Innovation to Create Radically Successful Businesses
Eric Ries
Continuous Delivery: Reliable Software Releases through Build, Test, and Deployment Automation Continuous Delivery: Reliable Software Releases through Build, Test, and Deployment Automation
Jez Humble e David Farley

Top 200 blogs para desenvolvedores

Wednesday, July 15th, 2009

Um post bem rapidinho. Essa notícia está um pouco atrasada mas continua boa. :)

Se você (assim como eu) gosta muito de ler blogs de desenvolvedores, provavelmente vai adorar isso: uma lista com os top 200 blogs para desenvolvedores selecionados por Jurgen Appelo.

A lista contém ótimos blogs de gente conhecida no mercado como Martin Fowler, James Shore, Jeff Sutherland, Joel Spolsky e por aí vai, além de blogs que eu ainda não conhecia e que são bem legais também. Para completar ainda tem o Twitter de uma boa parte dessas pessoas.

Mesmo que você não concorde com a lista e ache que tem coisa faltando ou sobrando, com certeza irá encontrar um monte de blogs interessantes para incrementar o seu leitor de RSS. Boa leitura!

Plano de cargos e salários…

Sunday, February 15th, 2009

Me incomoda muito o fato de que desenvolvedores precisam virar gerentes ou coordenadores para ganhar mais.

<história>
Era uma vez um desenvolvedor muito bom e muito eficiente. Ao longo da sua carreira ele foi aprimorando suas habilidades e técnicas e se tornou um super desenvolvedor com um conhecimento técnico absurdo, uma vasta experiência em arquiteturas de software e poliglota em linguagens de programação. Nesse momento ele repara que já é um desenvolvedor sênior ++ na empresa que ele trabalha e por isso não tem como ganhar mais do que ele já ganha a não ser que ele vire gerente. Então, querendo ganhar mais, o excelente técnico que programava e resolvia problemas técnicos com eficiência é obrigado a virar um gerente, porque a empresa não dá para ele outra forma de evoluir financeiramente. O detalhe é que ele não tem nenhuma habilidade para gerir pessoas ou projetos, além de que ele odeia fazer isso. O que ele gostava mesmo era de programar, mas ele não teve escolha. Resumindo: a empresa trocou um excelente técnico por um péssimo gerente e ainda está pagando mais por isso!
<história/>

Já repararam como esse padrão se repete nas empresas brasileiras?

Se você nunca parou pra pensar nisso, pense agora: é muito difícil um programador ganhar mais do que um gerente e por sua vez é muito difícil um gerente ganhar mais que um diretor. A lógica do mercado é a velha lógica do plano de cargos e salários: quanto maior for o seu nível hierárquico, mais você ganha.

O problema é que isso não faz sentido. O argumento preferido das pessoas normalmente é que “os gerentes ganham mais porque tem mais responsabilidades”. Eu discordo totalmente. Por exemplo, um amigo me contou ontem que um funcionário da empresa onde ele trabalhava tirou do ar o sistema de transações financeiras de uma grande empresa, causando com isso algumas centenas de milhares de dólares de prejuizo em poucos minutos. Neste caso, um erro de um desenvolvedor provocou uma catástrofe maior do que 10 anos de erros de uma dezena de gerentes juntos. E então, quem é que tem mais responsabilidade nas mãos?

Outra coisa que me incomoda nos planos de cargos e salários são aquelas regras do tipo “gerentes ganham na faixa de R$ X a R$ Y“: se o cara ganha menos que X não pode ser gerente e se ganhar aumento para mais que Y tem que ser promovido a diretor. Isso também não faz sentido. Em todas as empresas que eu trabalhei conheci gerentes excepcionais e gerentes absurdamente idiotas. Por incrível que pareça os excepcionais com toda sua genialidade sempre ganhavam (e ganham) o mesmo que os idiotas, por causa do maldito plano de cargos e salários. Isso pra mim soa como gado: independente das suas características individuais, uma cabeça de gado custa o mesmo que outra.

Eu trabalho e já trabalhei com vários desenvolvedores de valor altissimo. Não falo isso pelo que eles ganham ou ganhavam, mas sim porque em várias situações eles criaram soluções que melhoraram ou mudaram completamente (para melhor) a forma que as pessoas trabalhavam. Algumas dessas coisas foram tão geniais que eu diria que o valor foi inestimável. Eu também já tirei meus coelhos da cartola e sei que eles foram de grande valor para as empresas que eu trabalhei.

Não deveriam ser esses tipos de coisas que determinam o quanto as pessoas devem ganhar?

Em empresas de software, onde é comum encontrar esse tipo de pessoas, deveria ser normal ter desenvolvedores altamente especializados com remunerações maiores que as de gerentes ou diretores, mas isso é tão improvável que eu diria que é praticamente impossível – pelo menos no Brasil. Já em empresas como Google, Yahoo e cia., isso é possível e normal. Na Globo.com temos alguns casos desse tipo, mas são excessões. Isso está em fase embrionária e é muito muito muito longe do que deveria ser.

Naquela história que eu contei no início não consigo pensar em um motivo sequer para a empresa não manter o funcionário como desenvolvedor e dar o aumento que ele merece. Esqueça o plano de cargos e salários e veja como faz sentido: isso seria muito melhor para a empresa – porque o funcionário iria agregar muito mais valor sendo desenvolvedor e iria ajudá-la a lucrar muito mais – e seria melhor para o desenvolvedor – porque ele iria fazer o que gosta, o que é mais experiente e o que estudou sua vida toda para fazer.

Até quando as empresas vão continuar colocando as pessoas certas nos lugares errados?

Java é ruim?

Sunday, October 19th, 2008

Em tempos de Ruby on Rails parece que está na moda falar mal de Java. Na Rails Summit então meus ouvidos chegaram a doer de tanto ouvir falar que Java é ruim, Java é burocrático, bla bla bla e que Ruby on Rails é fantástico, produtivo e sexy. Calma, essa não é mais uma daquelas comparações ridículas de Java versus Ruby on Rails.

Mas ainda ficou a pergunta que não quer calar: Java é ruim mesmo? A resposta, como sempre, é que depende do caso…

Em um projeto de desenvolvimento de software, mesmo antes de começar o desenvolvimento você já tem algumas restrições para escolher tecnologias. A finalidade do software por si só pode já restrigir muito a tecnologia que terá que ser usada.

Por exemplo, se você estiver fazendo um website, provavelmente você não escapará de fazer uma interface em HTML, Flash ou qualquer outra coisa específica para desenvolver uma camada de apresentação web. Provavelmente você não vai querer usar Assembly para fazer a parte server-side, já que não seria muito produtivo (apesar de não ser impossível). Eventualmente esse site pode ser um portal como a Globo.com que têm milhões de acessos por dia e você terá que escolher uma plataforma/linguagem/arquitetura que priorizem performance e favoreçam escalabilidade. Ou então pode ser um site com pouquíssimos acessos e você nem precisará se preocupar com isso…

Ou então você pode precisar fazer um pequeno script para fazer backup automatizado de um banco de dados MySQL. Seria totalmente incoerente usar Delphi, Fortran ou Piet. Provavelmente você vai querer usar algo como Shell script e resolver o problema em meia dúzia de linhas. Alguns bancos como o SQL Server têm mecanismos de agendamento de backup automático que são super fáceis de configurar e usar, portanto nesse caso usar Shell script seria trabalho desnecessário.

Meu ponto aqui é que não dá para dizer que Java (ou qualquer outra coisa) é ruim por sí só. Java pode ser ruim ou bom dentro de um contexto. Por exemplo, em 2005 eu trabalhei num projeto de Call Center à distância via Internet onde precisei desenvolver um softphone e a melhor opção foi usar Java Applets. Além de existirem bibliotecas Java para trabalhar com IAX (que é um protocolo como o SIP, só que proprietário do Asterisk), o usuário não precisava instalar nenhum programa para falar com o Call Center, bastava acessar o site. Eu odeio Applets com todas as minhas forças, mas foi ótimo para esse projeto (eu diria até que foi relativamente fácil). Seria correto então dizer que Ruby on Rails é ruim só porque seria impossível de fazer esse projeto com tanta facilidade? É óbvio que não!!!

Jamais existirá uma única linguagem ou plataforma para resolver todos os problemas. O desenvolvedor de software precisa conhecer vários tipos de ferramenta e saber escolher a melhor delas para resolver cada problema. Que fique claro que eu não sou defensor de Java, Ruby ou de qualquer outra coisa. O caso é que é incoerente dizer que X ou Y é bom ou ruim por sí só; é preciso analisar as opções dentro de um contexto.

Cuidando para que o software não apodreça

Sunday, July 20th, 2008

Infeliz o sujeito que teve a idéia de comparar desenvolvimento de software a construção de prédios. Até hoje, em pleno século 21, algumas pessoas ainda acreditam que para fazer software você deve fazer exatamente como na construção civil: você deve ter “engenheiros” que fazem um grande projeto especificando exatamente como tudo vai ser, depois os pedreiros constroem e no final está tudo pronto e funcionando conforme a especificação.

Desenvolvimento de software não tem absolutamente nada a ver com construção!

No livro The Pragmatic Programmer, Dave Thomas e Andy Hunt fazem uma analogia muito mais apropriada: fazer software não é como constriur prédios mas sim como jardinagem. É muito mais “orgânico” do que “concreto”. Inicialmente você planeja muitas coisas para o seu jardim de acordo com as condições atuais de terra, clima, etc. Você precisa plantar as sementes, regar todo dia e cuidar para que as pragas não acabem com tudo. Você pode com o passar do tempo mover suas plantas de lugar para tirar vantagem de fatores como exposição ao sol, sombra ou até mesmo para fazer a rotatividade da terra. Você poda suas plantas constantemente e move alguns tipos de flores de um lugar para o outro para que o jardim fique melhor esteticamente. Se alguma planta cresce demais, pode ser que o espaço que você planejou para ela tenha ficado pequeno, e então é necessário movê-la de lugar. Enfim, não é uma coisa que você planeja, mas sim uma coisa que você tem uma idéia inicial e trabalha ao longo do tempo para fazer o melhor possível dentro daquela idéia.

Assim como o jardim, se o software não receber todos os cuidados necessários ele apodrece. Quando um software apodrece, é impossível implementar qualquer funcionalidade num tempo aceitável, é impossível colocar em produção sem que alguém tenha que ficar de babá, enfim, tudo passa a ser imprevisível. Nos piores casos passa a ser até impossível “tocar” no software, e esses monstros viram aqueles softwares que “se o servidor desligar ele não liga nunca mais”. E o pior é que isso acontece toda hora. Quantas vezes você já não pegou um projeto tão ruim, mas tão ruim que seria mais fácil fazer do zero do que consertá-lo? Isso é um sinal claro de software podre.

Para evitar que isso aconteça, o que se deve fazer é reavaliar a situação do software a cada história/funcionalidade implementada. Um bom desenvolvedor sempre avaliará se não é hora de mover algumas coisas de lugar, generalizar algumas funcionalidades, reescrever algumas porções de código e etc. – assim como faria um bom jardineiro. Isso deveria ser uma lei, não uma opção.

Os times ágeis trabalham com um conceito que é a “definição de pronto” (DOD – definition of done). A definição de pronto diz quando é que uma funcionalidade pode ser considerada pronta ou finalizada. Na minha opinião, para se considerar uma funcionalidade “pronta” é necessário no mínimo:

  • Desenvolver a funcionalidade
  • Testar unitariamente (melhor ainda se for fazendo TDD)
  • Testar a integração com outros componentes (quando for o caso)
  • Verificar se o build do projeto funciona sem erros e fazer o deploy em uma ambiente de produção simulado
  • Testar segundo os critérios de aceitação estabelecidos pelo cliente
  • Depois dos testes desenvolvidos e a nova funcionalidade passando em todos eles, avaliar a necessidade de fazer refactoring no novo código
  • Com a entrada da nova funcionalidade, avaliar a necessidade de fazer refactoring em algum módulo do sistema
  • Atualizar a documentação (quando necessário)

Pode parecer um exagero ou muito trabalho, mas não é. A questão é que você não pode deixar para fazer nenhum desses itens depois de 2 meses de desenvolvimento, você precisa fazer isso desde o primeiro dia! Quando você deixa para depois, você acaba acumulando o famoso débito técnico, e depois poderá ter que pagá-lo com juros, que poderão ser muito altos. O melhor é fazer aos poucos, a cada passo dado, porque desta forma o trabalho sempre será muito menor e não irá onerar o projeto. Mais uma vez fazendo analogias, é como câncer: você pode se previnir e tentar evitar que ele aconteça, ou você pode esperar ficar doente para depois ter que fazer uma arriscada cirurgia invasiva (e mesmo assim pode não dar certo, e aí perde-se o paciente).

Perfil de um líder técnico

Saturday, May 10th, 2008

No mês passado eu havia escrito sobre como eu acredito que um Scrum Master deve atuar em um projeto de software, e o Phillip complementou em seguida com mais alguns pontos, não se restringindo apenas a Scrum Masters mas líderes de processos ágeis em geral.

O Patrick Kua postou agora há pouco sobre o que ele acredita que sejam algumas das responsabilidades de um líder técnico e colocou um link para um “Tech Lead Manifesto” escrito por Sam Newman em 2006:

A Tech Lead Should…

  • Ensure the creation of a clear and consistent technical vision for the project which can best result in a successful project
  • Ensure all members of the team have a proper understanding of the technical vision
  • Ensure that the technical vision updates to reflect new requirements
  • Track and resolve issues where the code deviates from the technical vision
  • Create an environment in which all members of the team can contribute towards the technical vision
  • Understand and address skills gaps in the team which would result in difficulties implementing the technical vision

A Tech Lead Should Not…

  • Tell everyone what to do
  • Necessarily be the best at everything
  • Write no code
  • Write all the hard code

Esse manifesto resume muito bem algumas características altamente desejáveis para líderes de times de desenvolvimento de software e é totalmente aderente a todas as metodologias ágeis, incluindo o Scrum.

Fica como complemento para a discussão anterior.

Não dá pra fazer só mais uma coisinha?

Monday, May 5th, 2008

Desde que o mundo é mundo sempre tentam fazer com que nós programadores façamos mais do que nós achamos que é possível. Não importa quanto tempo você leve para fazer uma determinada tarefa, sempre alguém vem com aquela pergunta: mas não dá pra fazer só mais essa coisinha aqui???

O problema é que nem sempre se tem a percepção exata do que essa “coisinha” significa. A cada “coisinha” a mais que se faz é mais uma coisinha para programar, errar, testar, integrar, testar denovo e dar bug em produção.

No último Sprint da minha equipe aconteceu uma coisa muito engraçada. Uma das tarefas era colocar uma imagem de uma determinada forma em um site. Basicamente tratava-se de uma linha simples de código, só que a história não foi priorizada e por isso não entrou no Sprint. De fato parecia ser uma coisa bem simples. Como era só uma linha de código e todo mundo sabia disso, fizeram uma força danada pra empurrar essa história para dentro do Sprint, mas eu fui o chato e repetí umas vinte vezes: é mais uma coisa para testar e dar bug.

Isso foi no início do Sprint. Casualmente, nos dois dias seguintes o time deu um salto e o trabalho ficou muito adiantado. Com isso foi necessário colocar mais umas histórias para o time não ficar sem o que fazer e entre essas histórias estava a tal da linha para colocar uma imagem numa tal posição.

Fim do Sprint, tudo estava testado e o pacote com a aplicação fechado. Quando colocamos o site em produção, das 17 (dezessete) histórias que fizemos adivinha qual foi a única que deu problema??? A maldita “coisinha”, que por causa de uma configuração que só existia no mod_rewrite do Apache de produção não funcionava nem por um milagre! Até descobrir esse problema e resolvê-lo levamos algumas horas, sem contar que manchamos nosso histórico de alguns Sprints sem colocar bugs em produção…

Essas “coisinhas” de última hora nunca são tão simples quanto parecem. No mínimo é mais uma coisa para testar e dar bug em produção. :)

10 livros recomendados para desenvolvedores

Thursday, March 27th, 2008

No início do ano escreví um post sobre a importância de nós, desenvolvedores de software, lermos livros, que rendeu boas discussões. Depois disso recebí algumas mensagens perguntando quais são os livros que considero mais importantes para um desenvolvedor.

Bom, essa pergunta é complicada de responder. Primeiro porque eu ainda não lí todos os livros que deveria, e segundo porque cada pessoa tem seu gosto particular por tecnologias, processos, frutas e etc.

Então, resolví criar a lista dos 10 livros que eu particularmente mais gosto e que recomendo fortemente para qualquer desenvolvedor. Estes livros são alguns dos que mais me influenciaram a melhorar minha forma de trabalhar e programar. Além disso, coloquei link para os sites, blogs ou páginas de informações dos autores, caso alguém ainda não tenha:

Agile Software Development, Principles, Patterns, and Practices Agile Software Development, Principles, Patterns, and Practices
Robert C. Martin
Agile Software Development with SCRUM Agile Software Development with SCRUM
Ken Schwaber e Mike Beedle
Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software
Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John M. Vlissides
Domain-Driven Design: Tackling Complexity in the Heart of Software Domain-Driven Design: Tackling Complexity in the Heart of Software
Eric Evans
Extreme Programming Explained: Embrace Change (2nd Edition) Extreme Programming Explained: Embrace Change (2nd Edition)
Kent Beck e Cynthia Andres
Introduction to Algorithms Introduction to Algorithms
Thomas H. Cormen, Charles E. Leiserson, Ronald L. Rivest e Clifford Stein
The Mythical Man-Month: Essays on Software Engineering The Mythical Man-Month: Essays on Software Engineering
Frederick P. Brooks
Patterns of Enterprise Application Architecture Patterns of Enterprise Application Architecture
Martin Fowler
Peopleware: Productive Projects and Teams Peopleware: Productive Projects and Teams
Tom DeMarco e Timothy Lister
The Pragmatic Programmer: From Journeyman to Master The Pragmatic Programmer: From Journeyman to Master
Andrew Hunt e David Thomas

Infelizmente todos os livros são em inglês e nem sei se existe tradução. Se você não souber inglês, matricule-se urgentemente em algum curso porque saber inglês nesta área é muito importante!

Convido vocês a também fazerem suas listas e compatilharem seus livros preferidos :)

Um exemplo prático de Fluent Interface

Monday, March 3rd, 2008

Há alguns meses escreví um post sobre Fluent Interfaces, mostrando um trabalho que fizemos aqui na empresa para tornar nossa API interna mais fácil de se utilizar. Depois disso, algumas pessoas me pediram códigos e exemplos de uso da WebMediaAPI, mas o código é da empresa e não posso compartilhá-lo.

Fiquei então com a idéia de criar uma demonstração de uso de Fluent Interfaces na cabeça, mas eu queria usar um domínio fácil para que as pessoas pudessem entender melhor. A WebMediaAPI pode ser até legal, mas o fato é que ninguém conhece o modelo de mídias da Globo.com e fica difícil de explicar ou discutir o que está sendo feito.

Há duas semanas, conversando com o Evandro sobre uma apresentação que faremos mês que vem no evento de tecnologia da Globo.com, ele deu uma idéia super simples e bem legal. Todas as pessoas já trabalharam com e-mail, seja enviando mensagens para outras pessoas ou então escrevendo código para enviar e-mails em diversas linguagens. Esse é um domínio extramanete fácil para todo mundo, e também, é pequeno o suficiente para ser implementado rapidamente em um dia.

Então, nasceu a Fluent Mail API. A Fluent Mail API é uma API simples que utiliza a JavaMail API da Sun para enviar e-mails. Meu objetivo não é criar mais uma ferramenta para envio de e-mails, é apenas demonstrar o uso de Fluent Interfaces como wrapper de um framework maior, simplificando seu uso. A idéia é fazer com que enviar um e-mail seja tão fácil quanto isso:

new EmailMessage()
    .from("demo@guilhermechapiewski.com")
    .to("destination@address.com")
    .withSubject("Fluent Mail API")
    .withBody("Demo message")
    .send();

Você pode ver os códigos-fonte e uma descrição mais detalhada no site do “projeto”. Se alguém quiser discutir, opinar, tirar dúvidas ou qualquer outra coisa, é só comentar.

A falácia da otimização prematura

Tuesday, January 8th, 2008

“A otimização prematura é a raiz de todo o mal”. Quantas vezes você já ouviu essa frase? Eu mesmo já disse isso aqui nesse mesmo blog e já falei essa frase para várias outras pessoas. O problema, como já apontavam os sábios budistas, é que as pessoas acabam levando as coisas ao extremo… Para alguns desenvolvedores, como a otimização é a raiz de todo o mal ela deve ser evitada a qualquer custo e ao longo dos anos o sentido da frase acabou virando simplesmente “nunca otimize seu código”.

O criador dessa frase famosa foi Tony Hoare e Donald Knuth foi o responsável por torná-la popular. O que as pessoas não param para pensar é que quando essa frase foi dita, em 1975, o contexto era completamente diferente. O que Hoare e Knuth estavam realmente falando é que os engenheiros de software da época deveriam se preocupar com outras coisas mais importantes (como um bom design de algorítmos e boas implementações desses algorítmos) antes de se preocupar com micro-otimizações como a quantidade de ciclos de CPU que um determinado comando consome. A história toda é bem interessante e recomendo a leitura completa.

Hoje em dia os tipos de software que desenvolvemos são completamente diferentes. A capacidade computacional das máquinas é diferente, as arquiteturas dos sistemas, a quantidade de usuários… Temos bancos inteiros totalmente computadorizados com milhões de transações simultâneas acontecendo e essas trasações não podem falhar ou alguém perde dinheiro em algum lugar. Temos sistemas na internet que suportam milhões de usuários trocando mensagens o tempo todo. Enfim, precisamos considerar aspectos bem diferentes.

Eoin Woods, membro da IASA, publicou um artigo sobre o que ele acredita que sejam os 10 maiores erros de arquitetura cometidos em projetos. O item número 7 é “Assumir requisitos de performance e escalabilidade”. Ele acredita que você deve começar a considerar aspectos de performance e escalabilidade desde cedo porque isso ajudará a aumentar a sua confiança de que não há nenhum bicho de sete cabeças que na última hora vai arruinar qualquer possibilidade da sua aplicação ir para produção. Os requisitos de performance de uma aplicação devem ser conhecidos, estudados e levados em consideração desde o início do desenvolvimento.

Robert Annet do Coding The Architecture cita um outro exemplo do que pode acontecer quando você assume certas informações erradas no desenvolvimento. Ele também conclui que todos os desenvolvedores devem sempre estar cientes da arquitetura de um sistema e como isso afeta o que está sendo desenvolvido. Faz muita diferença, por exempo, se uma aplicação rodará em cluster ou não.

Resumindo, eu discordo de quem diga que um software não deve ser otimizado antes mesmo de ser desenvolvido. Há casos e casos. Veja a minha situação: quando eu desenvolvo sistemas na Globo.com, como é que eu posso ignorar o fato de que o sistema será acessado por milhões de usuários? No nosso último projeto, por exemplo, uma das premissas era que o player de vídeos fosse ultra-compacto (menor quantidade de bytes possível) já que ele seria baixado por qualquer usuário que fosse ver o vídeo e não poderia afetar o carregamento da página. Se não fosse isso poderíamos acabar tendo um daqueles arquivos Flash de 2 MB que quando você acessa a página tem que esperar 2 minutos para carregar – a experiência do usuário fica um lixo.

Porém também acho que temos que tomar cuidado para não exagerar na dose. Otimizações são boas quando elas são realmente necessárias.

Já cansei de ver desenvolvedores sacrificarem o design de uma aplicação por causa de performance ou otimizações que eram completamente desnecessárias. Quando você tem requisitos de performance claros como os que eu citei acima é óbvio que você tem que levá-los em consideração. Mas a grande maioria das aplicações certamente não atende milhões de usuários nem se você somar 10 anos de acesso! Então o que acaba acontecendo é que ao invés de se preocupar com desenvolver software de qualidade, bem testado, modular e com design decente muita gente acaba desenvolvendo software desnecessariamente otimizado e difícil de entender e modificar. A não ser que você tenha requisitos não-funcionais bem claros e definidos a prioridade sempre deve ser por um bom design, código legível, extensível e esse tipo de coisa.

Otimizar cedo ou não, sempre vai ser um assunto controverso. Normalmente esse tipo de coisa envolve julgar uma série de fatores técnicos e de negócio. Concluindo, é essencial que a equipe de desenvolvimento tenha bom senso ao tomar essas decisões. Nunca otimizar ou sempre otimizar são abordagens completamente equivocadas. Como dizem os budistas, “prefira sempre o caminho do meio”.