Archive for November, 2010

Estamos contratando no Yahoo! Brasil

Thursday, November 18th, 2010

Estamos contratando desenvolvedores para o Yahoo! Brasil!

Nosso time é responsável pelo desenvolvimento e manutenção do Yahoo! Meme. Para trabalhar conosco é imprescindível ser faixa preta em Python, PHP ou JavaScript e conhecer pelo menos uma segunda outra dessas três. Mesmo sendo essas as principais linguagens que usamos por aqui, precisamos de desenvolvedores multidisciplinares que saibam usar diferentes tipos de ferramentas – porque nunca sabemos quais produtos virão no futuro e que tipos de vantagens poderemos ter usando ferramentas diferentes.

Tão ou mais importante do que isso é ter ótimos conhecimentos sobre desenvolvimento ágil (especialmente XP), conhecer ferramentas de testes unitários, ser capaz de trabalhar com TDD, entender sobre CI e a sua importância, automatização de rotinas/build/etc., melhores práticas de desenvolvimento de software, Orientação à Objetos, Domain-Driven Design e tudo mais que puder ser relevante para ajudar a construir software confiável e manutenível de forma rápida e com ritmo/qualidade sustentável. Experiência com automatização de testes com Selenium ou Webdriver também é essencial. Como trabalhamos com web, também é necessário ter conhecimento em HTML, CSS e desenvolvimento de aplicações cross-browser.

Como desenvolvemos produtos de escala mundial, é necessário ter experiência com aplicações de alta performance e disponibilidade, identificação e otimização de gargalos de performance, escalabilidade, caching e sharding. É importante também ter bons conhecimentos de pelo menos um tipo de Unix e seus derivados.

Conhecimentos em C, C++, arquitetura de serviços, desenvolvimento de mashups, experiência com uso e desenvolvimento de APIs (REST, YQL, etc.) e experiência em desenvolvimento para iPhone/iPad são bons diferenciais, porém não são requeridos.

Para estas posições é necessário saber inglês bem, o que quer dizer que você deve ser capaz de conversar e ler/escrever em inglês sem problemas (e eventualmente ser entrevistado em inglês caso necessário).

Estamos procurando por pessoas criativas, que gostem de inovação, de pesquisar e identificar novas tendências e de encarar desafios complexos com agilidade e velocidade. Nosso time é pequeno, jovem e nosso ambiente está em constante mudança e evolução. Queremos pessoas irreverentes, que gostem de desafios, com idéias novas e com vontade de criar produtos incríveis!

A empresa oferece contratação apenas por CLT e benefícios como plano de saúde e vale refeição. Estamos localizados na Vila Olímpia em São Paulo. Geralmente contratamos pessoas de outros estados, mas desta vez infelizmente só estamos contratando pessoas de São Paulo/Capital. Update: Voltamos a contratar pessoas pessoas de outros estados e oferecemos auxílio para mudança (passagem, hospedagem, etc.).

Se você se encaixa neste perfil, envie seu curriculo em inglês para mim (gc AT yahoo-inc.com) com uma lista dos últimos 3 livros técnicos que leu. Não esqueça de colocar links para o seu Twitter, LinkedIn, GitHub e o que mais você achar relevante e que pode nos ajudar a te conhecer melhor. :)

Update: mais detalhes sobre a vaga (em inglês) na página de desenvolvedores do Meme.

Porquê eu não gosto de desenvolver sites usando Flash

Wednesday, November 17th, 2010

Uma vez estava no carro com minha esposa procurando um lugar para jantar (porque o primeiro lugar que fomos estava lotado). Um amigo me recomendou uma pizzaria que é bem popular aqui em São Paulo e decidimos ir para lá, mas primeiro queria ver se eles não estavam com fila de espera também. Quando entrei no site do restaurante para pegar o telefone e ligar… não funcionou porque o site é feito em Flash – que não funciona no iPhone.

Quem me acompanha no Twitter já deve ter percebido há tempos que eu não sou muito fã de Flash, mas quando eu faço os meus “rants” fica parecendo que eu não gosto pura e simplesmente porque sou fã de carteirinha do iPhone.

Se fôssemos discutir esse episódio do ponto de vista do usuário, a primeira coisa que alguém falaria seria “ah, você deveria ter um Android porque ele roda Flash”. Mas eu não quero entrar nesse mérito. Na verdade quero discutir esse problema de outro ponto de vista, o do dono do negócio (o cara que paga para alguém fazer o seu site).

Se você tem um negócio – seja uma pizzaria, um mercado, uma empresa de desenvolvimento de software e por aí vai – você possivelmente vai querer estar na Internet, afinal, alguns dos 67,5 milhões* de Brasileiros que são usuários de Internet podem acabar “esbarrando” no seu site e comprando algum produto ou ao menos conhecendo sua empresa (*dados do Ibope/Nielsen de dezembro de 2009).

Uma pessoa da minha família passou por essa experiência recentemente. Ele contratou uma empresa para desenvolver um site para a sua empresa justamente porque queria ser encontrado na Internet e queria vender seus produtos para mais pessoas. Acontece que a empresa que ele contratou desenvolveu o site em Flash, que obviamente não funciona no iPhone. Mas mais do que isso, o site bloqueia alguns comportamentos padrão do navegador (barra de rolagem e o botão de voltar/avançar), além de não ser indexado nos mecanismos de busca. Obviamente ele não percebeu nada disso por ser leigo no assunto, mas eu fiz uma brincadeira bem rápida procurando por alguns dos produtos da empresa dele em ferramentas de busca e vários sites de concorrentes apareçeram nos resultados, mas o dele não. Não preciso nem dizer que ele ficou decepcionado (e com razão).

Pensando como o dono do negócio, eu diria: “Ora bolas, se eu invisto dinheiro para ter um site, eu quero que ele seja acessível para o maior número de pessoas possível!” E como profissional de Internet, não gosto de desenvolver usando Flash pelos mesmos motivos a não ser que eu não tenha escolha (mas geralmente há uma saída). Para ser um pouco mais claro, meus motivos são os seguintes:

1) Sites em Flash não são indexados direito em mecanismos de busca

A maioria das informações dos sites em Flash ficam dentro de um arquivo compilado que não é lido pelos “crawlers“. Se o conteúdo não pode ser indexado ele dificilmente será encontrado por possíveis usuários/compradores/etc. em ferramentas de busca. Até existem formas de contornar esse problema, mas uma rápida análise em alguns sites em Flash conhecidos me mostraram que em mais de 90% dos casos os desenvolvedores não se preocupam em fazer com que o site seja buscável. Ferramentas de busca hoje em dia são fundamentais para ajudarem os usuários a acharem o que precisam na Internet. O site que não aparece bem em buscas certamente está deixando de ter uma boa quantidade de usuários a mais.

2) Sites em Flash não são acessíveis para pessoas com deficiência

Pessoas com deficiência visual utilizam “screen readers” para navegarem na Internet. A navegação nesses leitores de tela é feita com base nas tags HTML da página. Por exemplo, as tags <h*> ajudam o cego a navegar pelos tópicos principais que a página cita. O alt (da tag <img>) ajuda-o a saber qual o conteúdo das imagens, e por aí vai. Se o site é feito em Flash, nada disso vai funcionar. É possível contornar esses casos (assim como no tópico anterior), mas é trabalhoso e ninguém faz. Dos 20 sites populares que analisei antes de escrever esse post nenhum se preocupou com isso. Se você faz o seu site em HTML, isso tudo já funciona praticamente “de graça”.

É claro que pessoas cegas são uma minoria da população, mas nós temos sorte de não fazer parte dela. Justamente por serem minoria eles acabam muitas vezes sendo excluídos, e como se a cegueira já não fosse sofrimento suficiente eles sofrem ainda mais. É uma questão humana que, pelo menos para mim, conta bastante.

3) Flash atrapalha algumas funções nativas dos navegadores

Sites em Flash muitas vezes atrapalham o funcionamento padrão dos navegadores. Um exemplo clássico é que eles fazem com que o botão de Avançar/Voltar parem de funcionar ou funcionem errado. Esse mesmo problema impede que um usuário consiga gravar nos seus “Favoritos” uma página específica (porque o endereço é o mesmo para o site inteiro, e quando ele acessar vai cair na página principal do site ao invés da página que ele queria). Muitos sites já corrigem isso atualizando as URLs ao longo da navegação, mas vários não funcionam direito. Um outro exemplo pior ainda é quando sites em Flash substituem a barra de rolagem nativa do navegador por uma específica do Flash. Esse sim é um problema terrível, porque até o scroll do mouse para de funcionar. Quer ver como é perturbador? Então veja este site. Por favor, será que dá para me deixar usar o navegador direito?

4) Flash é pesado, especialmente se você está em redes 3G/Edge ou conexões lentas

Tudo bem, os sites em Flash funcionam em Android. Mas o que você acha de ter que esperar um Flash de 2MB carregar para você poder começar a usar o site? E olha que nem estou contando as famosas introduções animadas, das quais vou falar daqui a pouco. As aplicações em Flash ficam gigantescas e lentas, especialmente para quem está acessando de dispositivos móveis ou de conexões mais lentas.

5) Muitos designers de sites em Flash esquecem da usabilidade

Veja este site. Eu que não sou nenhum especialista em UX sei há anos que rolagem horizontal é abominável. Neste exemplo eles anda fizeram com que o trackpad do meu notebook não funcione corretamente, proporcionando assim a maneira mais lenta e tediosa possível de rolar para achar a informação que eu preciso. Agora veja este outro site. Fiz um teste rápido em casa e minha mãe não foi capaz de usá-lo, tem animações demais e objetividade “de menos”. Aposto que muitas outras pessoas também não conseguiriam. Você não constrói sites somente para pessoas que entendem de Internet ou são capazes de “fuçar” e descobrir como funcionam as coisas. A Internet é aberta e todo tipo de gente usará o seu site, por isso é preciso que ele seja tão fácil e direto quanto possível. Não adianta se preocupar somente em fazer sites bonitinhos, eles precisam ser funcionais também.

6) Flash não funciona em todos os dispositivos móveis

Sites em Flash não funcionam em iPhones e iPads, por exemplo. O iPhone – especialmente o 4 – é um fenômeno de vendas. No primeiro dia de venda foram vendidas 300.000 unidades do iPhone 4. No Brasil, várias pessoas foram para a porta da loja à meia noite para poderem ser os primeiros a comprarem o aparelho. Até hoje as lojas das maiores operadoras ainda estão com o aparelho em falta (porque todas as unidades que chegam são vendidas num piscar de olhos). Isso sem contar o iPad, que estima-se que serão vendidas 10 milhões de unidades até o fim de 2010. Ou seja, estamos falando de uma quantidade expressiva de aparelhos. Assim como você se preocupa em desenvolver sites compatíveis com vários navegadores, você precisa se preocupar com dispositivos móveis. Seria muito mais fácil desenvolver para Firefox somente, mas infelizmente há um grande número de usuários que usam Internet Explorer (incluindo IE6, infelizmente) e você não pode deixar de levar isso em consideração, senão eles não conseguirão usar seu produto. O mesmo vale para iPhone – seria muito mais fácil se você não precisasse se preocupar com ele, mas um grande número de pessoas estão usando e você não vai querer deixar essas pessoas de fora do seu site. Se você realmente precisar usar Flash, preocupe-se em ao menos desenvolver uma versão compatível com outros dispositivos (como fizemos na época que eu trabalhava na Globo.com, por exemplo).

7) Introduções em Flash são pouco úteis

Qual é o objetivo funcional de uma introdução em Flash em um site? Pense. Não há nenhum! Sites em Flash muitas vezes tem aquelas introduções gigantes e tediosas que são uma maneira super eficiente de impedir os usuários de fazerem o que eles precisam. Pode ser que isso tenha sido legal há alguns anos quando era novidade, mas isso já passou há muito tempo.

Concluindo…

Como falei no início, minha análise é do ponto de vista dos nossos clientes, ou seja, das pessoas que nos pagam para fazermos bons projetos de websites. Tenho certeza que você que é profissional de Internet como eu não quer fazer projetos ruins (ou não tão bons quanto poderiam ser).

Existem um monte de ferramentas que te permitem criar sites funcionais, rápidos, acessíveis e eficientes. Mais recentemente com o HTML5, muitas das coisas que antes só eram possíveis com Flash (ou Silverlight) agora são nativas dos navegadores.

Da próxima vez que você for usar Flash, pense duas vezes. E se não tiver jeito e você for usar mesmo, por favor faça direito. :)