Archive for April, 2009

Louco por automatização!

Wednesday, April 15th, 2009

Ultimamente tenho feito uma brincadeira que todos ficam achando que eu sou maluco. Costumo dizer que o meu objetivo a cada dia é tentar fazer com que todo o trabalho que eu faria em 2 dias seja feito em apenas 1 hora, e assim eu posso aproveitar as outras 15 horas escrevendo posts no meu blog, estudando coisas novas, jogando Guitar Hero ou até mesmo dormindo (se eu não tivesse insônia).

Parece loucura mas não é. Quando eu ainda era um jovem Padawan um dos vários mentores que tive ao longo da minha vida me ensinou uma lição muito valiosa.

Há bastante tempo atrás, observando um amigo trabalhar percebi que ele passava horas e horas automatizando cada pequena tarefa que faziamos na empresa. Se precisavamos criar uma entrada no DNS, tinha um shell script para fazer isso. Se precisavamos fazer backup, existia um script para fazer isso e ele até já funcionava sozinho. E no caso dele, ele tinha scripts prontos até para facilitar fazer as compras do mês no Zona Sul online (isso é sério mesmo). Basicamente ele era obcecado por automatizar tarefas.

Como ele passava a grande maioria do tempo automatizando coisas, um dia eu resolvi perguntar porque ele perdia tanto tempo fazendo aquilo. Não era apenas uma obsessão sem sentido, tinha um fundamento muito simples. Ele disse: “Quanto mais você trabalhar para tornar a sua vida mais fácil automatizando as tarefas repetitivas, mais você terá tempo livre para fazer mais coisas que você quiser! Fazendo assim você vai ter tempo de sobra para investir nas tarefas realmente desafiadoras, que vão exigir toda sua intelectualidade e que vão te dar prazer. É por isso que eu sempre trabalho com a meta mental de reduzir todo o trabalho que eu faria em 2 dias para 1 hora, e fazendo assim todo o dia e a todo momento as coisas simplesmente vão acontecer; e eu vou produzir muito mais que qualquer um sem absolutamente nenhum esforço”.

Eu sempre achei isso genial! Obviamente ele não passava 15 horas de bobeira fazendo outras coisas. O objetivo era apenas estabelecer uma meta agressiva de automatização de tarefas para conseguir alcançar um nível onde muitas coisas podem ser feitas com pouquissimo esforço, e a brincadeira de “passar 15 horas de bobeira” serve apenas para ilustrar e tornar o exemplo mais divertido. :)

Desde essa época eu venho usando essa abordagem para o máximo de coisas que eu consigo. Meu problema sempre foi que eu nunca tentei de verdade ser tão extremo quanto ele (ao ponto de automatizar até as compras do mês), mas de uns meses pra cá eu tenho sido cada vez mais e mais radical e tenho me tornado cada vez mais produtivo (apesar de ainda ir fisicamente no mercado fazer compras).

“Radical” e “extremo” são palavras que têm uma conotação muito negativa, mas ser radical ou extremo pode ser muito útil quando se tem um propósito como esse (ou então para se fazer uma abordagem como a que eu postei sobre porque eu não gosto de escrever comentários no código).

Em projetos de desenvolvimento de software, os ganhos com uma abordagem desse tipo são impressionantes. No último projeto que comecei (e que estou atualmente) propús para os meu amigos do time que tentassemos fazer uma abordagem desse tipo – radical e extrema – em relação a automatização. A regra que criamos juntos e concordamos ficou bem simples: se alguma coisa precisou ser feita mais de uma vez então ela necessariamente deve ser automatizada.

Depois de aproximadamente 3 semanas de trabalho as coisas funcionam mais ou menos assim:

  • Todos os testes unitários e de aceitação são automatizados e podem ser rodados com apenas um comando (desde criar/atualizar banco de dados até subir Selenium Server, colocar o sistema em um estado conhecido, executar os testes e depois desfazer isso tudo).
  • Toda vez que é feito um push para o Git, o build server roda primeiro todos os testes unitários automaticamente.
  • Se qualquer um dos testes falha, uma sirene toca automaticamente alertando que alguém fez besteira.
  • Se os testes passam, o Capistrano faz um deploy em cada uma das máquinas do ambiente de testes de aceitação e dispara a execução de todos os testes de aceitação nesse ambiente.
  • Se o banco de dados mudou, o upgrade do schema de banco de dados também é feito automaticamente.
  • Finalmente, quando todos os testes passam, é feito um deploy automatico para o ambiente “live”, que tem por objetivo ser o lugar onde se pode ver a última versão de desenvolvimento que passa em todos os testes.
  • Se precisarmos colocar a aplicação em produção, um script fará isso da forma mais simples, segura e instantânea possível.
  • Se um desenvolvedor precisar desenvolver nesse projeto, basta baixar o código do repositório e com um script tudo se configura e funciona automaticamente.
  • Se for preciso criar uma nova tela de cadastro padrão desse sistema, basta rodar um script e ela será quase toda criada automaticamente (apenas as particularidades precisam ser configuradas).
  • … e por aí vai.

Todas essas coisas juntas não foram simples de serem feitas, muito pelo contrário, foi bastante trabalhoso (e até chato algumas vezes). Porém, o resultado não deixa dúvidas: o ganho de performance é absurdamente alto e vale a pena cada minuto gasto investido.

No início levamos muito tempo automatizando tudo mas depois dos primeiros 3 ou 4 dias qualquer coisa passou a levar bem menos tempo do que levaria. Em pouquissimo tempo (algo em torno de 3 semanas, como eu disse) já é possível perceber resultados concretos dessa abordagem. Apesar de ainda termos um monte de coisas para melhorar, nossa agilidade para fazer coisas simples e vê-las funcionando é muito grande!

Não gaste seu nobre tempo fazendo coisas repetidas e chatas. Automatize tudo que puder! Faça os scripts trabalharem pra você!!!

Mais um blog (agora em inglês)

Thursday, April 2nd, 2009

Há muito tempo tenho pensado em criar um blog em inglês. Muito tempo mesmo. Pra ser mais exato tenho essa idéia desde o fim de 2007. Nessa época num evento internacional fiz um amigo falando sobre um artigo que eu escrevi no meu blog, mas como era em portugês ele teve que ler usando o Google Translate… Teria sido bem melhor se eu sempre tivesse blogado em inglês.

Como eu sou um protelador profissional, fiquei durante todo esse tempo enrolando e inventando várias coisas mais prioritárias que sempre me impediram de colocar essa idéia em prática. Mas agora finalmente foi e o endereço é “http://guilherme.pro“!

Fiquei numa baita dúvida se ia usar esse mesmo blog ou fazer um novo. Por enquanto decidi fazer um novo, mas no futuro posso mudar. Ainda não sei como vou fazer para decidir o que vai entrar nesse blog ou no outro, mas com certeza não vou parar de blogar aqui e nem pretendo diminuir a frequência!

Atualizem seus leitores de RSS com mais esse feed!