Plano de cargos e salários…

Me incomoda muito o fato de que desenvolvedores precisam virar gerentes ou coordenadores para ganhar mais.

<história>
Era uma vez um desenvolvedor muito bom e muito eficiente. Ao longo da sua carreira ele foi aprimorando suas habilidades e técnicas e se tornou um super desenvolvedor com um conhecimento técnico absurdo, uma vasta experiência em arquiteturas de software e poliglota em linguagens de programação. Nesse momento ele repara que já é um desenvolvedor sênior ++ na empresa que ele trabalha e por isso não tem como ganhar mais do que ele já ganha a não ser que ele vire gerente. Então, querendo ganhar mais, o excelente técnico que programava e resolvia problemas técnicos com eficiência é obrigado a virar um gerente, porque a empresa não dá para ele outra forma de evoluir financeiramente. O detalhe é que ele não tem nenhuma habilidade para gerir pessoas ou projetos, além de que ele odeia fazer isso. O que ele gostava mesmo era de programar, mas ele não teve escolha. Resumindo: a empresa trocou um excelente técnico por um péssimo gerente e ainda está pagando mais por isso!
<história/>

Já repararam como esse padrão se repete nas empresas brasileiras?

Se você nunca parou pra pensar nisso, pense agora: é muito difícil um programador ganhar mais do que um gerente e por sua vez é muito difícil um gerente ganhar mais que um diretor. A lógica do mercado é a velha lógica do plano de cargos e salários: quanto maior for o seu nível hierárquico, mais você ganha.

O problema é que isso não faz sentido. O argumento preferido das pessoas normalmente é que “os gerentes ganham mais porque tem mais responsabilidades”. Eu discordo totalmente. Por exemplo, um amigo me contou ontem que um funcionário da empresa onde ele trabalhava tirou do ar o sistema de transações financeiras de uma grande empresa, causando com isso algumas centenas de milhares de dólares de prejuizo em poucos minutos. Neste caso, um erro de um desenvolvedor provocou uma catástrofe maior do que 10 anos de erros de uma dezena de gerentes juntos. E então, quem é que tem mais responsabilidade nas mãos?

Outra coisa que me incomoda nos planos de cargos e salários são aquelas regras do tipo “gerentes ganham na faixa de R$ X a R$ Y“: se o cara ganha menos que X não pode ser gerente e se ganhar aumento para mais que Y tem que ser promovido a diretor. Isso também não faz sentido. Em todas as empresas que eu trabalhei conheci gerentes excepcionais e gerentes absurdamente idiotas. Por incrível que pareça os excepcionais com toda sua genialidade sempre ganhavam (e ganham) o mesmo que os idiotas, por causa do maldito plano de cargos e salários. Isso pra mim soa como gado: independente das suas características individuais, uma cabeça de gado custa o mesmo que outra.

Eu trabalho e já trabalhei com vários desenvolvedores de valor altissimo. Não falo isso pelo que eles ganham ou ganhavam, mas sim porque em várias situações eles criaram soluções que melhoraram ou mudaram completamente (para melhor) a forma que as pessoas trabalhavam. Algumas dessas coisas foram tão geniais que eu diria que o valor foi inestimável. Eu também já tirei meus coelhos da cartola e sei que eles foram de grande valor para as empresas que eu trabalhei.

Não deveriam ser esses tipos de coisas que determinam o quanto as pessoas devem ganhar?

Em empresas de software, onde é comum encontrar esse tipo de pessoas, deveria ser normal ter desenvolvedores altamente especializados com remunerações maiores que as de gerentes ou diretores, mas isso é tão improvável que eu diria que é praticamente impossível – pelo menos no Brasil. Já em empresas como Google, Yahoo e cia., isso é possível e normal. Na Globo.com temos alguns casos desse tipo, mas são excessões. Isso está em fase embrionária e é muito muito muito longe do que deveria ser.

Naquela história que eu contei no início não consigo pensar em um motivo sequer para a empresa não manter o funcionário como desenvolvedor e dar o aumento que ele merece. Esqueça o plano de cargos e salários e veja como faz sentido: isso seria muito melhor para a empresa – porque o funcionário iria agregar muito mais valor sendo desenvolvedor e iria ajudá-la a lucrar muito mais – e seria melhor para o desenvolvedor – porque ele iria fazer o que gosta, o que é mais experiente e o que estudou sua vida toda para fazer.

Até quando as empresas vão continuar colocando as pessoas certas nos lugares errados?

Tags: , , , , , , ,

60 Responses to “Plano de cargos e salários…”

  1. Vitor Andrade says:

    Post muito bom, reflexão muito válida….

    Acho este assunto muito complexo. Hoje em algumas poucas empresas esta idéia poderia funcionar, apesar que concordo que seria o ideal. Um fator que deve ser levado em consideração é quanto o cliente(Quem contrata uma fabrica de software por ex.) pagaria a mais por um desenvolvedor Senior+++++++(profissional que mereceria um salário maior) que um desenvolvedor senior(do plano de cargos e salarios padrao). Acredito que em poucos casos seria possível convencer o cliente a pagar mais por este profissional. Neste caso a alternativas que as empresas encontram para continuar contando com este profissional é subindo ele para um cargo superior, que em alguns casos infelismente não seria o ideal.

  2. Cezar Miranda says:

    Excelente artigo, concordo totalmente. Mas realmente muito fora da realidade brasileira. É uma questão cultural, se extende à todas as áreas, não só à nossa. Acho que precisaria uma revolução, um movimento caótico deliberado prá mudar isso (developers of the world, unite and take over.). Mas sempre podemos esperar e fazer a nossa parte prá que isso possa acontecer. Principalmente aqueles de nós que foram forçados à mudar de perfil profissional e subir (descer?) prá gerência, e que poderiam ser os nossos “agentes duplos” nessa guerra, tentando que pelo menos para as “próximas gerações” essa história pudesse ser um pouco diferente…

  3. O Rodrigo Panachi colocou em uma frase algo que eu sempre tento dizer a meus colegas: “Um desenvolvedor que quer ser gerente não é um bom desenvolvedor!”.

    Simples e objetivo.

  4. Normalmente quando um desenvolvedor vira gerente ou coordenador, a empresa perde um grande desenvolvedor para ganhar um gerente ou coordenador “meia boca”.

  5. [...] aprendendo Ruby on Rails por que o mercado está pagando bem“. do dia para a noite surgiram milhares de especialistas ágeis. O cara que programava em [...]

  6. Lucas Renan says:

    concordo plenamente Guilherme,

    todo mundo me fala isso, estude gerencia de projetos para ganhar mais, ter um cargo de gerencia eh melhor..etc..

    mas eu realmente tenho vontade de ser desenvolvedor pro resto da vida, as organizações precisam deixar de lado esse conservadorismo e evoluir.

  7. EduBarbosa says:

    Gostei muito do artigo e concordo em parte, pois o problema está na lei que determina que duas pessoas que exercem a mesma função não podem ter salários diferentes, daí recorre-se ao plano de cargos e salários.

  8. Maria Fernanda says:

    Excelente o tópico,

    Em algumas empresas bastante sérias existe a o plano de carreira em Y, onde os bons técnicos podem continuar sendo bons técnicos. A IBM é uma delas.

  9. Ronaldo says:

    Caros colegas, acredito que deve ser levado em consideração a preparação das pessoas, hoje pouquissimas pessoas aceitariam ganhar um salário menor com a simples explicação que o outro é mas eficaz que ele, ou seja, torna-se necessário que haja uma equiparação e um regra clara que defina cargos e salários, empresas evoluidas conseguem minimizar estas diferenças com um bom plano de remuneração variável…

Leave a Reply